Conheça suas estatísticas do Gmail usando o 'Meter'

Semanas após lançar o serviço Google Account Activity, que promete ajudar os internautas a monitorarem seus acessos aos serviços Google, enviando mensalmente um relatório de uso de sua conta, a Google apresenta o GMail Meter (Medidor do GMail), uma espécie de analytics para o serviço de correio eletrônico.

 

 

Quer saber mesnalmente quantas mesnagens foram recebidas e não lidas, ou quantas foram lidas e não respondidas? Está tudo lá, segundo texto publicado pelo engenheiro Saurabh Gupta no blog oficial do GMail.

O Gmail Meter é um script executado no primeiro dia de cada mês. Os resultados são enviados por e-mail. O objetivo é ajudar os internautas a conhecerem e ajustarem seus hábitos de uso do Gmail. Será que você está gerenciando bem a sua caixa de entrada? Há uma hora do dia onde o índice de leituras e respostas é maior?

Confira, abaixo, o vídeo de apresentação da ferramenta.

Para configurar o Gmail Meter vá para o Google Docs e abra uma planilha. Clique em Ferramentas e na opção Galeria de Script. Procure por "Gmail Meter" e clique em Instalar. Você verá um novo item de menu da sua planilha chamado Gmail Meter. Clique nele. Solicite um relatório. Escolha então o tipo de relatório desejado.

A geração do relatório pode levar algum tempo e você receberá um e-mail assim que ele estiver pronto.

value1

Remote Director

O conceito de soft proof ou virtual proof prevê que as provas sejam enviadas por meio de transmissão eletrônica e, prioritariamente, que sejam apenas visualizadas em tela.

Os sistemas baseados nesse conceito oferecem uma visualização de prova com uma confiabilidade maior do que nos outros tipos de tecnologias analógicas já que a promessa é que o que se visualiza num monitor, seja uma representação fidedigna do que se terá no produto final impresso.

 

As soluções profissionais de prova virtual provêem de forma simultânea e até então inédita, que se possa oferecer aos clientes de uma gráfica, por exemplo, uma prova de layout, de conteúdo, de cor e de contrato a um custo acessível.

Uma dessas soluções é o Remote Director comercializado no Brasil pela Starlaser. Ele pode ser adquirido e implementado no fluxo produtivo de empresas gráficas, independente do sistema de workflow digital que possua.

Tanto a administração quanto o uso pelos responsável pelas tarefas de aprovação são feitas por meio de navegadores de Internet comuns, como o Firefox, Safari e Chrome.

A empresa gráfica faz o upload do arquivo (geralmente um arquivo PDF) para uma pasta exclusiva do cliente num servidor que pode ser acessado por meio da Internet, cria um log-in e uma senha, e os envia para o cliente junto com um link (endereço web) para que este acesse o sistema de aprovação virtual.

O cliente escolhe entre os arquivos disponibilizados, abre-o e, por meio das ferramentas de medição (porcentagens de cores), visualização (canais de cores ou camadas), zoom, anotações (post-its digitais) e marcação (canetas), pode avaliar o material e escrever recados para solicitar alterações e correções em áreas distintas das páginas. Assim que terminar o processo de revisão, o cliente pode aprovar integralmente, aprovar com alterações ou reprovar solicitando uma nova prova com as alterações realizadas.

O responsável pela administração do fluxo de revisão/aprovação dentro da gráfica receberá as solicitações de alteração ou aprovação por meio de e-mails, disparados automaticamente.

Ao contrário dos processos de aprovação analógicos que demandam a produção e entrega das provas, a aprovação do cliente e a devolução das provas comentadas ou aprovadas para a gráfica que pode demorar horas ou dias (quando é necessário usar os serviços dos Correios, FedEx etc.), o procedimento virtual pode ser concluído em poucos minutos.

A interface do Remote Director é um dos pontos fortes do produto em relação aos concorrentes já que é bastante simplificada e intuitiva. As ferramentas e recursos de comentários, anotações e marcações remetem à itens convencionais que seriam usados para fazer as anotações por meios não-digitais se a revisão fosse feita sobre uma prova impressa. Dessa forma fornece um ambiente .

Como as anotações são feitas digitalmente, não há necessidade de decifrar as informações que o revisor escreveu à mão, nem muito menos redigitar os trechos novos no documento original (outro risco considerável de se gerar outros erros) já que se pode copiar os novos trechos e colar no aplicativo nativo.

Outro diferencial é a possibilidade de ser alugado, evitando assim os dois investimentos iniciais necessários para soluções concorrentes: a compra do produto e a montagem ou implementação de uma estrutura de TI baseada num servidor web onde os arquivos serão disponibilizados.

O Remote Director pode ser comercializado pelo regime Hosted (uso dos servidores de hospedagem da ICS) e o interessado paga uma mensalidade para utilizá-lo. Desta forma também não há necessidade do segundo investimento, já que os arquivos são enviados pela gráfica e ficarão acessíveis para os clientes a partir de um servidor localizado nos Estados Unidos.

É possível atribuir níveis de privilégios de aprovação diferentes para cada uma das pessoas responsáveis por um ciclo de aprovação. Um funcionário pode, por exemplo, apenas ter o direito de fazer aprovações de layout, enquanto o diretor de arte pode fazer aprovações de cor.

Remote_Director_Interface

Todas as anotações e aprovações são permanentemente armazenadas em logs (relatórios) para oferecer pleno controle sobre as alterações solicitadas, assim como quem e quando as fez.

Dependendo da necessidade tanto de quem aprova quanto da vontade ou política da gráfica, o Remote Director pode ser configurado para permitir ou não o download dos arquivos PDF, impressão local ou criação de imagens em baixa ou alta resolução.

Se o objetivo é fornecer uma prova virtual de conteúdo ou layout, qualquer monitor serve, desde que é claro, a expectativa da pessoa que vai fazer a aprovação também esteja sob controle.

Já para provas virtuais de cor/contrato, somente são homologados modelos de monitor calibráveis fabricados pela Eizo e Apple. Neste caso, o RD pode ser configurado para exigir que o monitor seja calibrado antes de cada sessão de aprovação virtual. Evidentemente nada disso adianta se não houver um controle de luminosidade no local onde o monitor está instalado.

Remote_Director_nao_calibrado

Remote_Director_calibrado

Outro item interessante é a capacidade de organizar as diversas versões de provas e também de compará-las para se ter certeza de que as alterações tenham sido feitas. Isso pode ser feito por meio de diferenciação de cores nas áreas que sofreram alterações, mas também por meio de um recurso interno que cria uma animação em Flash.

Remote Director

www.icscolor.com

 

Starlaser

www.starlaser.com.br

 

fonte: http://www.bytestypes.com.br/

value1

Redimensione suas fotos

As câmeras digitais vêm com uma configuração para selecionar o tamanho que a foto vai ficar ao ser batida. Esta função não é para simplesmente economizar espaço no cartão, e sim para definir qual a finalidade da foto. A dimensão das fotos na tela é completamente diferente das fotos impressas. Uma foto em um papel 10x15 centímetros vai ocupar várias vezes o espaço útil do monitor.

 

  • Baixe o PhotoPlus
  • Entretanto, muitas vezes se tira uma foto para ser impressa, e depois queremos uma versão para mandar para os amigos pela Internet. Para não ficar enviando arquivos pesados de fotos desnecessariamente grandes, o ideal é redimensioná-la.

    Para este tutorial, utilizamos o programa PhotoPlus.

    Importante: uma imagem nunca pode ser aumentada de tamanho sem perda de qualidade. Por isto, o ideal é sempre tirar fotos na melhor qualidade da sua câmera para eventualmente diminuir a qualidade no computador.

    1) Abra a foto - Clique no botão foto_open. Na janela que abrir, encontre a imagem, selecione-a e aperte Abrir. A foto agora deverá aparecer na sua área de trabalho.

    2) No menu Image, selecione a opção Image Size. Agora, você deverá ver um menu como este:

     

    foto_imagesize

    Mantenha as caixas de seleção Resize layersMantain aspect ratio selecionadas. Isto vai garantir que sua imagem seja redimensionada sem perder suas proporções.

    2.1) Para fotos que serão somente visualizadas na tela

    Pixel Size: este é o tamanho da sua imagem medido em pontos na tela, ou seja, a foto do exemplo tem 2048 pixels de largura (width) por 1536 pixels de altura (height). Para se ter uma noção, usualmente, a resolução do monitor é algo entre 800x600 pixels e 1024x768, portanto qualquer imagem dentro dessas medidas será visualizada por completo na tela. Coloque um valor numérico em somente um dos campos (Width ou Height), para modificar o tamanho da foto, a outra dimensão será calculada automaticamente de acordo com a proporção da foto.

    Ignore o Print size.

    2.2) Para fotos que serão impressas

    Print Size: este é o tamanho que a foto vai aparecer no papel depois de impressa. O valor padrão está especificado em polegadas (Inches), mas pode ser modificado para centímetros (Centimeters). A foto do exemplo tem 28.44 polegadas de altura por 21.33 de largura, cerca de 72x54 centímetros. Ajuste o valor numérico da altura ou da largura que o conseguinte será calculado automaticamente.

    Resolution: é o número de pontos por polegada (dpi, dots per inch) que tem sua foto. Normalmente as câmeras digitais vêm com três configurações de resolução: Fine (300 dpi), Normal (150 dpi) e Basic (72 dpi). Todas as três opções têm o mesmo tamanho de imagem, porém quanto menor a resolução, maiores serão os pontos e, conseqüentemente, as imperfeições, além de ser um arquivo que ocupa menos espaço.

    3) Aperte o botão OK

    4) Salve sua foto - Muito cuidado na hora salvar sua foto! A não ser que você não vá mais usar esta imagem para outras coisas, não salve a foto sobre a original. Vá no menu File e selecione a opção Export Optimizer.Você deverá ver a seguinte janela:

     

    foto_exportoptimizer

    Em Format, selecione a opção JPG. Observe, sobre a foto, o tamanho da imagem. Em Quality, à esquerda, você poderá diminuir ainda mais a resolução da imagem.Aperte o botão Export e dê um nome à sua imagem.

    fonte: http://tecnologia.terra.com.br

  • value1

    Economize memória com os “serviços dorminhocos” do cPanel

    O cPanel há poucos dias liberou uma grande atualização, que para quem usa os canais “release” ou “edge” pode até ter passado meio desapercebida. A melhoria mais evidente foi a nova tela de login, mas não foi a única, e aqui pretendo falar de uma novidade que pode fazer bastante diferença em sistemas com uma certa escassez de RAM: os “dormant services”, que eu prefiro traduzir para “serviços dorminhocos”.

    servicio-do-cpanel

    “Dormant services” são um substituto para alguns serviços do próprio cPanel que em vez de ficarem rodando em tempo integral no segundo plano, consumindo CPU e memória até mesmo quando não são necessários, agora mantêm apenas um “escutador” nas portas específicas. Aí, quando alguma atividade é detectada nessas portas, os executáveis efetivamente responsáveis pelo tratamento das requisições são instanciados.

    Do ponto de vista do usuário (seja o cliente, seja o administrador da máquina) não muda nada, mas o consumo de RAM quando os serviços não são necessários pode ser bastante reduzido com a ativação dos serviços dorminhocos.

    Para ativar os serviços dorminhocos basta acessar a sessão “Tweak Settings” do menu principal do WHM.

    imagem01

    dormantservices-640x180

    Ativei os dorminhocos em todos os meus cPanels (mais de 60 VPSs, mais de 20 dedicados), e até agora não experimentei nenhum efeito desagradável causado por eles. E quero crer que a RAM economizada esteja provendo um serviço de melhor qualidade aos meus clientes.

    Propaganda é a alma do negócio

    “Propaganda é a alma do negócio”. Quantas vezes ouvimos essa frase? Pode parecer clichê, mas a verdade é que sem um bom marketing dos seus serviços, não há como conseguir novos clientes. Você pode pensar que não investe em propaganda e ainda assim possui uma boa gama de clientes, porém, se você tem novos clientes, você faz propaganda, ou alguém o faz, ainda que sejam seus próprios clientes.

    A grande questão para quem inicia no empreendedorismo é: Como fazer para ganhar novos clientes e fazer minha empresa crescer?

    Claro que nem tudo é responsabilidade da propaganda, mas vamos focar nesse assunto para esse artigo. Separei algumas possibilidades e ferramentas para ajudá-lo na árdua tarefa de se fazer presente para os possíveis clientes.

    A primeira ação que você deve tomar é otimizar o seu site para motores de busca. Essa tarefa dependerá de como o seu site foi desenvolvido. Cada ferramenta necessita de mudanças específicas, HTML, Joomla ou WordPress precisam de adaptações únicas, mas o conceito é exatamente o mesmo.

    Nessa primeira parte da série de artigos que tratam de Marketing para os seus serviços, focarei em uma técnica chamada de SEO (Search Engine Optimization), ou em português, otimização para motores de busca. A prática possui diversas nuances, porém, focaremos no básico para dar início à ideia do que é SEO, depois disso, vocês poderão caminhar por suas próprias pernas.

    Domínio

    O ideal é que o domínio escolhido tenha já em sua descrição o serviço a ser oferecido e buscado em sites como o Google, Yahoo, Bing entre outros. Por exemplo, ao invés de escolher o domíniowww.empresaxyz.com.br o ideal é que escolha o domínio www.hospedagemdesites.com.br.

    Esse é um ponto complicado de ser feito, primeiro porque sempre preferimos escolher o nome da nossa empresa, ao invés do nome do serviço a ser prestado. Depois que, ao ler esse artigo, provavelmente o seu site já está no ar, com o devido domínio escolhido, mas fica a dica para eventos futuros.

    Hospedagem

    Pode parecer redundante que o seu site precisa estar hospedado em um servidor rápido, ainda mais em um artigo escrito para um portal que se destina ao serviço. De qualquer forma, é preciso deixar claro que quanto mais lento o acesso ao seu site, mais dificuldades os motores de busca terão em acessar e avaliar o seu site.

    Título

    O título do seu site deve conter o serviço que você presta e, de preferência nas primeiras opções. Por exemplo, “Empresa XYZ” não é uma boa prática, a boa prática seria utilizar o serviço antes, como “Hospedagem de Sites | Empresa XYZ”. Utilize sempre que possível o símbolo “|” para separar sentenças. Alguns motores de busca levam em consideração se o termo aparece mais de uma vez, como “Hospedagem de Sites | Empresa XYZ | Hospedagem de sites”, porém, a opção não é tão relevante ao ponto de duplicar o título do seu site tornando a estética desinteressante. O título não pode ser muito grande, então, não utilize textos maiores que 70 caracteres.

    Image Tag

    Todas as imagens do seu site devem possuir os atributos ALT e TITLE preenchidos, procure informações de como fazer isso conforme a plataforma em que seu site foi desenvolvido. Quanto mais informações suas imagens derem sobre o seu site, ou serviços, mais informações os motores de busca poderão indexar.

    Heading Tags

    As Heading Tags (h1 – h6) foram criadas com o objetivo de marcar pontos em destaque no seu conteúdo. Os mecanismos de busca definiram que as Heading Tags possuem um grau de importância no ranking, obedecendo à mesma filosofia que nós usamos, na leitura dos subtítulos de um texto.

    • A tag <h1> deve conter um resumo do que o usuário vai encontrar no texto;
    • A tag <h2> deve abordar um conteúdo subsequente do conteúdo da página;
    • As demais tags seguem à mesma filosofia.

    É importante lembrar que cada página deve conter um, e apenas um <h1> e não podemos quebrar a hierarquia, ou seja, depois de um <h1> implementa-se um <h2> e assim por diante.

    Meta Keyword

    Meta Keyword são as palavras chaves que identificam o seu site. Um número de 20 palavras é suficiente pra descrevê-lo. Por exemplo: hospedagem, domínios, revendas e assim por diante.

    Meta Description

    O Meta Description é onde definimos o a descrição do que é o seu site, as informações que nele constam. A quantidade de caracteres na descrição deve estar entre 150 e 170, qualquer valor superior ou inferior a isso não será suficiente. Se puder, repita a palavra chave principal mais de uma vez na descrição.

    Densidade das palavras chaves

    A densidade de palavras-chave ou “keyword density” é o ranking de aparições de uma palavra ou frase chave contra o total de palavras que compõem um texto. Por exemplo, para um texto que contenha 100 palavras, se uma palavra aparece cinco vezes, sua densidade será de 5%.

    A densidade de palavras-chave é um dos principais fatores que os buscadores levam em conta para ordenar os resultados de uma busca. Quanto maior densidade tiver uma palavra em uma página, maior será a probabilidade que os buscadores a situem mais acima, quando se busca por esse critério.

    Site Map

    O Sitemap é um arquivo tipo XML com metadados de um site que são relevantes para motores de busca, otimizando os resultados de um busca. O arquivo possui a última atualização, frequência de alterações no seu site, relevância em relação a outros URLs, etc.

    Links

    Quanto mais links existirem para a sua página, maior será a garantia que os motores de busca farão uma melhor indexação do seu site. Algumas pessoas utilizam a prática de criar “sites fantasmas” com o único objetivo de apontar links para seus sites principais.

    Para finalizar essa primeira parte da série de artigos para ajudar o empreendedor iniciante a conseguir divulgar os seus serviços, deixo alguns links de ferramentas bastante úteis para avaliar a otimização do seu site:

    1. Analisador de Meta-Tags: Ferramenta para você avaliar se suas KeyWords/Meta-Tags estão bem selecionadas e otimizada para os buscadores.
    2. Verificador de Velocidade da Página:Ferramenta que mostra todos os arquivos carregados em sua página.
    3. Verificador de PageRank: Ferramenta mostra qual o seu pagerank.
    4. Gerador de SiteMap: Ferramenta que cria o sitemap completo do seu site
    5. Pagerank Futuro: Este site avalia seu site e verifica qual será seu pagerank futuro, com uma porcentagem de acerto.
    6. Posição nas Pesquisas Google: Verifique a posição exata em que seu site está colocado nas pesquisas do Google.
    7. Gerador de Meta-Tags Avançado: Com esta ferramenta você poderá gerar meta-tags para seu site.
    8. Posição nas Pesquisas Yahoo!: Da mesma forma que no Google, verifique a posição exata de seu site nas pesquisas do Yahoo.
    9. FireFox SEO: Uma ferramenta completa de SEO em seu navegador.
    10. Densidade de Palavras-Chave: Verifique a densidade das palavras-chave em seu site.
    11. Verificador de Quantidade de Pesquisa de palavras-chave: Veja a quantidade de visitas em que uma palavra é pesquisada no Google e se for o caso, o preço do anúncio no adwords.
    12. SEO master free scanner : A ferramenta avalia,  analisa e pontua de acordo com alguns fatores de otimização que influenciam em sua posição nos rankings dos mecanismos de busca, como Google, Yahoo e MSN.
    13. SEO Score – Ferramenta com o mesmo objetivo da de cima, avaliando a boa prática de SEO.

     

    fonte: http://portaldohost.com.br/

    value1

    4 ferramentas úteis para medir a velocidade do seu site.

    Já falei sobre a importância de analisar a velocidade de um site para poder avaliar se isso terá impactos negativos nos rankings do Google.

    É incrível como ainda há muitas pessoas que não ligam para este aspeto… E depois queixam-se que não conseguem chegar ao 1º lugar do Google… Porque será?!

    De qualquer forma, para todos os interessados, aqui ficam 4 ferramentas úteis para medir a velocidade do seu site.

    Uma delas já falei aqui no Web Marketing, mas como está em contexto, incluo-a nesta lista:

    1.Pingdom

    pingdom-tools

    Pingdom disponibiliza algumas ferramentas interessantes, das quais destaco uma delas, que é a Full Test Page que permite de forma muito fácil medir a velocidade do seu site.

    Outro aspeto de vale a pena realçar é que, permite guardar o histórico das medições que executa para poder ter uma ideia dos valores médios, e da evolução desses números após executar algumas otimizações.

    2. Google Page Speed

    google-page-speed

    O Google Page Speed, é uma ferramenta gratuita disponibilizada pelo Google e que também ajuda nas medições da velocidade de um site.

    Com alguns pormenores interessantes, o Google Page Speed além de medir a velocidade do site, faz uma análise dos fatores que podem ter peso negativo na velocidade do site em análise e qualifica-os por ordem de importância.

    Aqui, as menções a vermelho são aquelas que deverá dar prioridade para resolver, a seguir as menções a laranja, e por fim, as menos importantes, a verde.

    3 – Website Page Analyzer

    web-page-analizer

    O Website Page Analizer é um serviço disponibilizado peloWebSitOptimization.com e eu já escrevi um artigo sobre esta ferramenta e sobre como pode usá-la para analisar a velocidade do seu site, pelo que não faz sentido repetir o que já disse. De qualquer forma, recomendo a leitura do artigo onde falo desta ferramenta, pois acheia muito útil e interessante.

    Sem dúvida, uma que deve ter no seu arsenal.

    4. Alexa

    alexa

    Alexa é um site que permite recolher vários tipos de informação sobre um site, nosso ou outro qualquer.

    Entre todas as informações que o Alexa disponibiliza, uma delas é a velocidade de carregamento do site e uma breve comparação com os restantes sites na internet.

    Embora, não seja disponibilizada qualquer informação sobre a forma como essa medição é feita, nem tão pouco, exatamente o que está a ser medido, ao contrário das anteriores, não deixa de ser uma referência com alguma importância, e que pode perfeitamente juntar ao seu arsenal.

    Espero que, com estas ferramentas, consiga fazer algumas medições e avaliar como está o seu site. Se parece um Carocha ou um Ferrari

    Brevemente, irei abordar algumas técnicas para tornar o seu site mais rápido. Não deixe de acompanhar!

    Se tiver alguma dúvida ou questão, deixe um comentário!

    Ler Mais: 4 Ferramentas Úteis Para Medir a Velocidade Do Seu Site | Web Marketing PT

    value1

    Como baixar arquivos Torrent

    Torrent é bastante usado em transferências de arquivos P2P pela sua facilidade de manuseio e velocidade de download de arquivos. Arquivos deste tipo são criados quando o proprietário do produto a ser compartilhado libera um link que permite que outras pessoas baixem o arquivo diretamente do computador deste, sem necessidade de enviar o arquivo para algum servidor.

     

    Como o compartilhamento é feito sem nenhum bloqueio ou limitação, os downloads são bem mais facilitados. Quando uma pessoa está baixando o arquivo de um computador, ela se torna um Peer. Após o download do arquivo, ela se torna um Seeder, ajudando outras pessoas a baixarem o arquivo mais rapidamente. Este é o grande segredo do protocolo: você baixa de outros que te ajudam e ajuda os outros após baixar.

    Para manusear arquivos torrent, você precisa de um programa. Nós recomendamos o µTorrent para o Windows e o Transmission para o Linux, mas há mais um mundaréu de opções pra quem não gosta destes.

    Tenho certeza de que a maioria das pessoas usam o Torrent para baixar legalmente uma distribuição Linux.

    uTorrent-3.0

    Instalando um programa desse tipo no sistema, você poderá abrir arquivos *.torrent  baixados em algum lugar. Falando nisso, um bom serviço de pesquisa de torrents é o Torrentz. Eu o uso há bastante tempo e ele procura diversos trackers contendo o torrent com o arquivo procurado. Procure algo que você queira baixar, entre no servidor preferido e baixe o *.torrent. Abra-o e o programa que você instalou para baixar torrents reconhecerá o conteúdo do arquivo e ele começará a ser baixado para o seu disco rígido.

    Como torrents dependem de seeders para se manterem em operação, às vezes não será possível fazer o download exatamente por estar faltando algum pedaço para ser enviado para você por outro usuário/computador. Caso isso aconteça, procure outro tracker que tenha mais seeders (quanto mais, melhor, obviamente) e tente novamente.

    Não se esqueça de, quando terminar de baixar, ajudar os outros servindo como um seeder do torrent, hein. Afinal, uma hora você precisa, outra hora outros precisam. É como dizem: “é uma mão lavando a outra“.

    fonte: http://www.guiadopc.com.br/

    12 dicas para entrar e crescer no e-commerce

    1. Seriedade: Encare a venda online com muita seriedade, o nome é virtual mas o trabalho é real.

    2. Especialização: Procure um nicho para explorar. Quanto mais específico o seu negócio, maior a chance do sucesso na internet.

    3. Concorrência: Fuja dos produtos vendidos em grandes magazines.

    4. Investimento em tecnologia: Na hora de comprar a sua plataforma de loja virtual, fique atento, nem todas são tão boas quanto parecem. Escolha muito bem o seu parceiro. Tecnologia é muito importante para que uma loja online esteja preparada para um rápido crescimento.

    5. Formas de pagamento: inicie o seu site de vendas com o maior número de parcerias (Visa, Mastercard, American Express, entre outros) para facilitar a compra do e-consumidor.

    6. Confiabilidade: Esteja na Ebit, consultoria que classifica lojas virtuais no Brasil. Só assim, mesmo ainda pequeno, os clientes irão confiar na sua loja. Não economize nos selos de segurança.

    7. Teste seu portal: Antes de colocar o site no ar, faça testes e verifique se a sua entrega chega em pelo menos três dias ao cliente. Fator importantíssimo para satisfação do cliente.

    8. Organização: Lembre-se dos pilares de um site de vendas:  Atendimento ao cliente, divulgação digital, logística e administrativo.

    9. Marcas: Se alie a marcas reconhecidas em suas áreas de atuação para conquistar confiabilidade do e-consumidor e oferecer produtos de qualidade.

    10. Estoque: Cuide do seu estoque e da logística para atendimento ágil ao e-consumidor. A primeira impressão é a que fica.

    11. Atração e retenção de clientes: Invista em marketing e meça cada detalhe das campanhas digitais, otimize as estratégias dia a dia.

    12. Invista: Contrate uma consultoria especializada em vendas online, isso ajuda muito o pequeno empreendedor a errar menos no início.

    fonte: http://ecommercenews.com.br

    Dicas para aumentar as vendas online

    Existem mil e uma receitas para aumentar as vendas em uma loja virtual e tornar o empreendimento um verdadeiro sucesso. No entanto, poucos sabem que as compras virtuais deixam de acontecer porque os e-consumidores desistem da mesma antes de chegarem à página do carrinho.

     

    Sendo assim, o grande ponto para o sucesso da loja online se encontra entre a página de produtos e o carrinho de compras e, é nesse momento que o lojista deve ter todo o cuidado para manter o interesse do consumidor a fim de que o mesmo permaneça na loja e finalize a negociação.

    Encontrado o foco da questão, algumas dicas podem auxiliar o lojista a vender mais em sua loja virtual, por exemplo:

    Página de produtos deve ser completa. Ela, o foco! O que tem acontecido com sua página de produtos? Será que ela tem apresentado tudo aquilo que o cliente precisa saber? Ter uma página de produtos completa significa ter ótimas imagens da mercadoria, todas as descrições possíveis como medidas, peso, composição, etc, preço competitivo com o mercado, avaliação e comentários de outros consumidores, e botões “Comprar” destacados;

    Relevância e conteúdo devem andar juntos. Destacar informações sem importância é perda de tempo e, em se tratando de loja virtual, é perda de vendas também. Portanto, apresente conteúdo na página de produtos que realmente sejam relevantes para o seu consumidor. Da mesma forma, o envio de e-mails marketing deve ser específico, atendendo às características do perfil consumidor, para que a taxa de conversão seja ampliada;

    Clareza das informações torna tudo mais fácil. Termos técnicos são importantes, ok. Mas para quem não os entende, torna o processo de negociação muito difícil. Facilite as coisas! Os consumidores que optam pelo e-commerce buscam facilidade, comodidade, rapidez… Transmita ao seu cliente aquilo que ele deseja e precisa saber de forma simples, clara e dinâmica;

    Consumidores têm interesses promocionais. Se promoções atraem clientes, por que privar sua loja desse atrativo? Se frete grátis chama atenção e desperta o interesse, por que não oferecer? É claro que todas as ações da loja virtual devem ser medidas, mas para isso há estudos, pesquisas e formas, veja aqui. Clientes que possuem cupons de desconto são muito mais propensos a efetivarem suas compras, sabia? Portanto, não perca mais tempo, estimule seus clientes a comprarem;

    Cross Selling ativo amplia chances. Recomendar itens para os clientes que estão na página de produtos ou no carrinho de compras, é uma técnica muito eficaz para ampliar as vendas na loja. Os produtos relacionados podem sequer ter passado pela mente do consumidor, até que ele veja a recomendação e se interesse. Ao disponibilizar descontos para a compra dos produtos recomendados, a garantia de bons resultados é maior ainda;

    Objetividade é fundamental. Como dito, o e-consumidor gosta de praticidade, objetividade e rapidez. Nesse quesito, estão inclusos os formulários para cadastro na loja, onde o lojista deve priorizar as informações importantes, para que o cliente não perca tempo, nem o interesse pela negociação. Seja objetivo;

    Clientes podem ser recuperados. Se mesmo com todas essas dicas e aperfeiçoamentos da loja, ainda houver clientes que desistem da compra, não se desespere. Ainda é possível recuperá-los. Envie um e-mail com o link do carrinho e desconto na compra deixada ou, ainda, disponibilize um brinde para que o consumidor possa se interessar, retornar à loja e finalizar a negociação.

    Cada loja virtual tem uma forma diferente de trabalhar com seus clientes e desenvolver técnicas que agradem ao consumidor virtual. No entanto, o que vale é apresentar ao público-alvo aquilo que ele busca, sem complicações. Para alcançar mais vendas em sua loja, conquiste o seu consumidor, essa é a receita do sucesso!

    value1

    O que é o IPv6? O que ele vai mudar na minha vida?

    Talvez você já tenha ouvido falar de IPv6 em algum lugar na internet, mas não saiba muito bem o que é. Então, fique sabendo que ele é peça essencial para o futuro da internet, para deixar que ela continue crescendo tão lindamente como vemos hoje em dia. Mas para entender exatamente o que ela significa, precisamos saber uma coisinha:

     

    O que é IP?

    ipv4-ipv6

    IP, numa explicação simples, é o endereço virtual de qualquer dispositivo conectado à internet, como o modem da sua casa, o seu smartphone ou o servidor que hospeda o Guia do PC. Na sua versão atual, a IPv4, esses endereços são formados por grupos de números, como 74.125.227.63, por exemplo. E se estiver curioso, você pode ver o endereço IP da sua conexão em sites como o meuip.com. São nesses endereços que estão um dos maiores problemas que podem impedir o livre crescimento da internet.

    A atual geração de IPs com endereços de 32 bits, suporta, considerando-se também os blocos reservados, 4.294.967.296 endereços únicos. Este número pode até parecer grande, mas já não é o suficiente para a internet continuar crescendo. Isso não é nada surpreendente, afinal, nenhum dos criadores da internet, lá na década de 80, esperava que ela fosse ser tão grande como é hoje.

    Cada vez mais pessoas estão usando a internet, e o fazendo com cada vez mais dispositivos, como smartphones e tablets. Além disso, vários servidores para armazenar novos sites são criados diariamente. Dessa forma, os mais de quatro bilhões de endereços únicos já estão prestes a se esgotar.  A IANA, entidade que controla a distribuição mundial desses endereços, já não tem mais blocos disponíveis. Os endereços restantes na região da América Latina devem acabar no início de 2014, e na Europa, já acabam em agosto desse ano. E se acabarem, podem deixar a internet mais lenta e mais cara.

    A linha vermelha são os blocos disponíveis na IANA. A verde, na IANA + entidades regionais.

    Ipv4-exhaust

    E como se resolve isso?

    É aí que entra o IPv6. Ele funciona de maneira semelhante ao IPv4, mas tem endereços em 128 bits como 2a00:1450:8005::68, por exemplo. Os endereços diferentes do IPv6 permitem a existência de mais de 340 undecilhões(!?) de endereços únicos. Parece muito, e realmente é: isso representa cerca de 79 trilhões de trilhões de vezes o espaço disponível no IPv4.

    Além disso, outra vantagem do IPv6 é que, com tantos endereços, cada computador terá o seu endereço real na internet. Atualmente, cada endereço corresponde a uma conexão, que muitas vezes é dividida entre vários computadores de uma empresa, ou pela rede do roteador da sua casa. Com isso, mais dispositivos poderão se conectar à internet — como geladeiras e fogões –, e o acesso a eles remotamente será muito mais fácil.

    Tudo muito bacana, tudo muito bonito, mas antes é preciso enfrentar um problemão: a implementação do IPv6. Isso exige um esforço conjunto dos provedores de internet, dos servidores dos sites e dos usuários. E isso não é algo que se faça do dia para a noite. Mas as atitudes para incentivar essa implementação estão crescendo.

    No ano passado aconteceu o World IPv6 Day, uma data onde sites como o Google e o Facebook forneceram o seu conteúdo também em IPv6, para testá-lo. No Brasil, aconteceu uma ação parecida em março: a Semana IPv6.  E em 6 de junho, acontece o World IPv6 Launch, onde esses e outros sites,  como o portal Terra, além de provedores e fabricantes de roteadores, devem passar a usar o IPv6 em definitivo.

    E a exemplo do que já acontece em portais que adotaram o IPv6 de uma vez por todas, as conexões com IPv4 continuam funcionando normalmente. Por isso, é bom frisar: o IPv4 não será substituído pelo IPv6, e os dois funcionarão simultaneamente na internet. Com isso, você não ficará sem internet em algum momento, mesmo se o IPv6 for largamente usado e você ainda estiver com o velho IPv4 de sempre.

    E o que eu faço?

    KnxUyl

    O cabo da internet permanece o mesmo, não se preocupe.

    Aí, depende do seu provedor de internet. Alguns, principalmente nessa fase inicial de implementação, devem usar os tunnel brokers, que permitem que você acesse conteúdos em IPv6 mesmo que esteja usando equipamentos que ainda trabalhem em IPv4. Neste caso, você não precisa fazer nada.

    Caso a sua operadora use o IPv6 nativo, sem túneis ou gambiarras, aí você deverá trocar o modem da sua conexão para um compatível. Provavelmente, você receberá algum aviso do provedor caso seja obrigado a fazer isso. Mas apenas o modem deverá ser trocado: o hardware do seu computador e todos os sistemas operacionais mais modernos também suportam IPv6. Fora isso, pouca coisa muda, mas você pode ter certeza de que a internet continuará crescendo e criando cada vez mais coisas legais, como aqueles vídeos de gatinhos que todo mundo adora.

    Se você for um daqueles curiosos que adora testar tudo antes de todo mundo, uma dica é usar o SixXS ou o gogoNET como tunnel broker para acessar a internet em IPv6.  Eles não são a melhor saída para isso, mas deve ser o suficiente para matar a sua curiosidade em ver como ele funciona. Usando eles, talvez a sua conexão fique lenta, mas fique tranquilo, isso não é uma característica do IPv6. Na verdade, como esses túneis são gambiarras para usá-lo, é até normal que a sua conexão fique um pouco mais lenta.

    Para testar a sua conectividade com o IPv6 você pode usar testes como o test-ipv6.com, que te dá um relatório completo sobre o que você quer saber. Ou então, tente entrar em ipv6.google.com: se funcionar, a sua conexão tem IPv6!

    Então, agora que você já conhece o IPv6, não tenha medo dele. Pelo contrário, se o ver, dê um abraço e o agradeça, afinal, é ele que vai permitir que a internet continue a ser tão maravilhosa como é hoje. E não se assuste caso você peça o IP de um amigo pra jogar com ele e receba um fd00:dead:dead:beef:fade:f00f:d00d:1236 como resposta.

    Ah, fica uma dica: se você ainda continua curioso sobre assunto, vale a pena ver sites como o IPv6.br ou o da Internet Society sobre o assunto, que trazem informações mais detalhadas. Outra dica é esta página, que traz previsões de quando os blocos de IPs das entidades regionais devem acabar, além de gráficos e textos sobre o assunto.

    fonte: http://www.guiadopc.com.br