Aperfeiçoe a relação e o atendimento ao cliente

A necessidade de empresas manterem um bom relacionamento com os consumidores é eminente, entretanto, há demasiados erros cometidos por falta de cautela e bom senso, além da falta de humildade que transmite uma imagem absolutamente negativa aos usuários.



Uma empresa se mantém devido aos consumidores, uma vez que estes não se interessam mais por seus produtos e serviços, o insucesso do empreendimento é certo. Desta maneira, se faz necessário relacionar-se com os clientes de modo coerente, a fim de evitar danos irreparáveis.

Sendo assim, é preciso analisar o comportamento e a postura de sua empresa com relação às mídias também. Veja, portanto, três valiosas dicas para o aprimoramento da relação com o cliente, bem como o atendimento ao mesmo:

1. Ao deparar-se com um problema, demonstre ao cliente interesse na resolução do mesmo, lembrando que independe com quem está a razão, afinal, todos estão suscetíveis aos erros;

2. Jamais faça promessas que não possa cumprir, seja seguro e certeiro ao realizar afirmações aos clientes;

3. Ouça! Clientes têm a necessidade de serem ouvidos, por mais que a situação ou problema já tenha sido solucionado e a dúvida sanada. O consumidor deseja falar, relatar sua experiência e realizar críticas, cabe a você, lojista, aceitá-las e encarar como dicas construtivas ao seu empreendimento, lembrando que o consumidor é o termômetro do seu negócio.

Pesquisador demonstra como hackear smartphones por NFC

Na conferência Black Hat em Las Vegas, na quarta-feira (25/7), o pesquisador da Accuvant Labs Charlie Miller mostrou como ele descobriu uma maneira de invadir tanto o Samsung Nexus S e Nokia N9 por meio da capacidade de Comunicação de Campo Próximo (NFC) dos smartphones.

O NFC ainda é novo, mas está começando a ser adotado em smartphones, particularmente para realizar compras. O experimento que Miller fez, demonstrado no evento, mostrou que é possível iniciar uma transferência via NFC para compartilhar conteúdo entre smartphones com a intenção de fazer hacks como se aproveitar de falhas para travar smartphones ou até mesmo ler arquivos no aparelho.

"Sou capaz de ler todos os arquivos", disse Miller sobre como ele fez para invadir o Nokia N9, enquanto o seu dispositivo caseiro ficava em uma distância muito próxima ao smartphone-alvo. "Eu posso fazer chamadas telefônicas, também." Segundo Miller, As vulnerabilidades identificas no Nexus S foram localizadas na interface do navegador. O NFC funciona apenas quando os dispositivos estão bem próximos - não poderia ser utilizado para atacar de qualquer distância.

Miller disse que seus esforços envolveram nove meses de experimentos com técnicas chamadas de "fuzzing" - técnica utilizada para testar segurança em softwares e sistemas de computador -, e a ajuda de amigos e colegas pesquisadores. Ele disse que planeja liberar sua ferramenta para ajudar com os testes de implementações de NFC, "já que não há realmente nenhuma que faça isso atualmente".

fonte: http://idgnow.uol.com.br/

value1

Site que gera CSS para formulários

formstyle

 

No site Form Style Generator é possível criar passo-a-passo o visual dos formulários do seu blog. Seguindo todas as etapas você poderá realizar o download do CSS e das imagens, caso utilize alguma como background, ao final do processo.

form-css-generator

value1

Microsoft Web Platform Installer v1.0

A versão final do Web Platform Installer (Web PI) fornece uma interface única para instalação e configuração de toda plataforma Web da Microsoft, incluindo o IIS7, Web Developer 2008 Express Edition, SQL Server 2008 Express Edition e o .NET Framework.

 

 

 

Usando a interface do Web Platform Installer, você pode selecionar componentes específicos ou pode instalar a suíte completa em seu computador. Para ajudar você a ficar sempre atualizado, o Web Platform Installer sempre contém as mais recentes versões de cada componente.

 

Requisitos de Sistema

 

  • Sistemas Operacionais Suportados: Windows Vista RTM, Windows Vista SP1, Windows Server 2008
  • É necessário possuir privilégios administrativos para poder instalar a versão final do Web Platform Installer
  • .NET Framework 2.0
  • Arquiteturas Suportadas: x86 e x64

 

33087-1

 


Download: 
Microsoft Web Platform Installer v1.0
Mais informações

Alguns tópicos na Área de Desenvolvimento Web do Fórum do BABOO:
Dúvida no ASP
Problema ao rodar site na WEB
Como Altero Icone de Feed?
Javascript funciona no IE e não funciona no Firefox

 

 

 

 

value1

Removendo o alerta CSRCS.EXE

Olá a todos
windows_server_2003Um alerta muito do inconveniente surge ao iniciar o windows, o chamado CSRCS.EXE
Muito pela internet indicam baixar um programa para remoção do mesmo, não caia nessa! A coisa é tão simples que decidi dividir com vocês.

Como remover?
Com muita atenção, mãos a obra!

 

value1

Removendo o alerta CSRCS.EXE (2)

Olá a todos
windows_server_2003Um alerta muito do inconveniente surge ao iniciar o windows, o chamado CSRCS.EXE
Muito pela internet indicam baixar um programa para remoção do mesmo, não caia nessa! A coisa é tão simples que decidi dividir com vocês.

Como remover?

Com muita atenção, mãos a obra!

 

 

 

1 - Vá em Iniciar -> Executar e digite "regedit" e clique em OK - Isso abrirá editor de registro do Windows.

2 - Clique em Editar -> Localizar (Ctrl+F) e digite o nome do arquivo, no caso, "csrcs.exe" e clique em Localizar Próxima.

Atenção para o detalhe:
- O arquivo "csrcs.exe" é vírus sim, o que não é vírus é o "csrss.exe" (encontrado no Gerenciador de Tarefas do Windows).
- Você pode e deve remover todas as entradas do arquivo "csrcs.exe" exceto uma, a "Shell".

3 - Ao localizará a chave do registro de nome "Shell" com o seguinte texto escirto: "Explorer.exe csrcs.exe", clique com o botão direito em "Shell", clique em "modificar" e apague APENAS o "csrcs.exe" na caixa Dados do valor, deixando Explorer.exe.

Se por acaso forem encontradas outras referências similares em outras chaves, faça o mesmo que fez na chave "Shell". Depois disso, saia do "regedit" e reinicie o computador.

Reiniciou o PC?
Problema resolvido?

Dreamweaver - Banner flutuante

A pedido do nosso camarada Samuel Bruno

Trata-se de um banner flutuante, ou seja, voce vai aprender a colocar no seu site, um banner contendo uma propaganda, um texto de saudação ou mesmo um link para um outro site e o mesmo ficará “bailando” na sua tela …espero que gostem !! e aguardo os seus coments … e sugestões ..

 

 Assista à vídeo aula

 

 

value1

CRIANDO BANCO DE DADOS VIA CPANEL

Clique na imagem para aumentar:
01

O login do painel também pode apresentar a seguinte imagem:

 

Clique na imagem para aumentar:
02

Existe ainda a possibilidade de seu serviço de hospedagem apresentar um endereço personalizado para acesso ao Cpanel. Se for este o caso, entre em contato com seu suporte e pergunte qual o endereço correto.

Uma vez logado, a interface do Cpanel pode apresentar variações de acordo com a configuração adotada por padrão pelo serviço de hospedagem, mas as funções em geral são as mesmas. O próximo passo é acessar a função MySQL Data Bases, como na imagem abaixo:

Clique na imagem para aumentar:
03

Agora no painel para Gerenciamento de Banco de Dados (MySQL Account Maintenance), já podemos criar usuários e Banco de Dados.

Clique na imagem para aumentar:
06

Vamos começar pelo nosso Banco de Dados, que aqui chamaremos de script. Clique em Create Database:

Banco de Dados criado, clique em Go Back para retornar ao Painel de Gerenciamento:

Repare que seu Banco de Dados recebeu um ante-nome seguido por uma underline igual ao do seu login de acesso ao Cpanel. Por exemplo, se seu login do Cpanel é meusite, então seu Banco de Dados se chama meusite_script.

O próximo passo agora é criar um usuário que possa trabalhar com este Banco de Dados. Que tal abusarmos da criatividade, e chamarmos este usuário de user? Já para o password, seremos ainda mais criativos e usaremos a palavra senha. Digite os dados e clique em Create User:

Novamente clique em Go Back para voltar à tela de Gerenciamento de Banco de Dados. Repare que seu usuário para Banco de Dados também recebeu o ante-nome do seu usuário do Cpanel. Logo, já que aqui nosso usuário de Cpanel se chama meusite, então o usuário do Banco de Dados se chama meusite_user. Ok, já temos um Banco de Dados e um usuário cadastrado no Gerenciador. O próximo passo é dar permissão para que este usuário trabalhe com o Banco. Isto pode ser feito na guia Add Users To Your Databases.

Se você cadastrou vários usuários e/ou criou vários Banco de dados, aqui poderá selecionar “quem vai acessar o quê”. No nosso caso, selecione o usuário meusite_user pra usar o Banco de Dados meusite_script como indicado na imagem abaixo, e clique em Add User To Database:

Clique na imagem para aumentar:
08

Está feito! Agora temos um usuário de Banco de Dados, uma Base de Dados e este usuário tem permissões para trabalhar com ela. Quando solicitadas, são estas informações que deveremos utilizar em nossos scripts. Vamos rever as configurações?
User - meusite_user
Password - senha
Data Base - meusite_script

Não custa lembrar que na opção Add User To Database, temos a opção de configurar quais permissões este usuário pode fazer em seu Banco de Dados. Por padrão, a opção “ALL PRIVILEGES” é a que fica selecionada, indicando que este usuário pode fazer qualquer coisa com o Banco de Dados, inclusive deletar completamente seu conteúdo.

A próxima opção do Painel de Gerenciamento de Banco de Dados é a função Access Hosts. Note que por padrão, já está configurado para funcionar em localhost.

Por último, a página apresenta um link para o phpMyAdmin, o administrador de Banco de Dados MySQL. Mas este é assunto para outro dia .

CentOS saiba um pouco mais...

O CentOS é uma versão gratuita do Red Hat Enterprise, gerado a partir do código fonte disponibilizado pela Red Hat e mantido de forma bastante competente por um grupo de desenvolvedores, que combina representantes de diversas empresas que utilizam o sistema (sobretudo empresas de hospedagem) e voluntários.

Ele é, basicamente, uma versão gratuita do RHEL, que possui um excelente histórico de segurança e conta com uma boa estrutura de suporte comunitário e atualizações pontuais de segurança, qualidades que o tornam uma das distribuições Linux mais populares em servidores, sobretudo em servidores web.

Se você está interessado na estabilidade do Red Hat Enterprise, ou precisa rodar softwares como o Oracle, que são suportados apenas nele, mas não tem como pagar caro pelo sistema, o CentOS é a sua melhor opção.

Red Hat x RHEL x CentOS x Fedora: Para quem está chegando agora, o Red Hat Linux foi uma das primeiras distribuições Linux a conquistar um grande público. A primeira versão foi lançado em 1994 e o sistema conseguiu ganhar espaço tanto entre os desktops (devido à relativa facilidade de uso) quanto entre os servidores, devido à boa estabilidade do sistema. O Red Hat Linux foi descontinuado em 2004, dando lugar ao Fedora, que é desenvolvido de forma colaborativa e às diferentes versões do Red Hat Enterprise (também chamado de RHEL), a versão comercial do sistema, destinada a grandes empresas.

O Red Hat Enterprise possui um ciclo de desenvolvimento mais lento (que prioriza a estabilidade) e tem suas versões suportadas por um período de nada menos do que 7 anos após o lançamento. Para quem está acostumado com o rápido ritmo de desenvolvimento das distribuições Linux domésticas, um sistema que é suportado por 7 anos pode soar estranho, mas dentro do ramo corporativo este é um diferencial importante, já que atualizar os desktops e os servidores é sempre um processo arriscado e caro (devido à mão de obra necessária, necessidade de treinar os funcionários, etc.), de forma que ciclos de desenvolvimento mais lentos e previsíveis são preferidos. Veja o caso do Windows, por exemplo, muitas empresas ainda usam servidores com o 2000 Server, ou mesmo com o NT 4.

O RHEL é fornecido apenas em conjunto com um plano de suporte e não pode ser redistribuído em seu formato binário. Entretanto, todo o código fonte está disponível, de forma que alguém que pacientemente compile cada um dos pacotes disponibilizados pela Red Hat, acaba obtendo uma cópia completa do sistema, que pode ser usada para todos os fins.

O CentOS nada mais é do que um Red Hat Enterprise compilado a partir do código fonte disponibilizado pela Red Hat, com os logotipos as marcas registradas removidas. Isso garante que os dois sistemas sejam binariamente compatíveis (ou seja, um software compilado para rodar no Red Hat Enterprise roda também na versão correspondente do CentOS sem precisar de modificações) e todos os passos de instalação e configuração dos dois sistemas são idênticos, o que faz com que toda a documentação do Red Hat Enterprise se aplique também ao CentOS.

Ao aprender a trabalhar com o CentOS, você automaticamente aprende a trabalhar com o Red Hat Enterprise e vice-versa. A grosso modo, podemos dizer que o Fedora é uma versão comunitária de desenvolvimento do Red Hat Enterprise, enquanto o CentOS é uma cópia praticamente exata do sistema.

Com relação às versões, o Red Hat Enterprise 4 foi baseado no Fedora Core 3, enquanto o Red Hat Enterprise 5 foi baseado no Fedora Core 6 e o Red Hat Enterprise 6 será baseado no Fedora 9. As versões do CentOS seguem as versões do Red Hat Enterprise, de forma que o CentOS 5 corresponde ao Red Hat Enterprise 5 e assim por diante:

Fedora Core 3 > Red Hat Enterprise Linux 4 > CentOS 4
Fedora Core 6 > Red Hat Enterprise Linux 5 > CentOS 5
Fedora 9 > Red Hat Enterprise Linux 6 > CentOS 6

Novas versões do Red Hat Enterprise são disponibilizadas a cada 18 ou 24 meses, mas recebem um grande volume de atualizações e correções de segurança durante este período. Isso leva ao lançamento de sub-versões com as atualizações pré-instaladas, como o Red Hat Enterprise 4.6 e o Red Hat Enterprise 5.1, que são sempre seguidas pelas versões correspondentes do CentOS.

Assim como o sistema principal, as atualizações e correções de segurança são disponibilizados pela equipe do CentOS, novamente através de pacotes compilados a partir dos códigos fontes disponibilizados pela Red Hat. As atualizações do CentOS são tipicamente disponibilizadas entre 24 e 72 horas depois das do Red Hat Enterprise (o que é impressionante considerando que se trata de um projeto voluntário), mas muitas atualizações críticas são disponibilizadas muito mais rápido, em poucas horas. Assim como o Red Hat Enterprise, todos os releases do sistema são suportados recebem atualizações de segurança por um período de 7 anos. Com isso, o CentOS 4 será suportado até 2012 e o CentOS 5 será suportado até pelo menos 2013.

A grande diferença entre o CentOS e o Red Hat Enterprise é a questão do suporte, já que, embora caro, o suporte oferecido pela Red Hat é bastante personalizado e os profissionais passam por um exame de certificação exigente (o RHCE) que mistura testes teóricos e práticos. Em servidores de missão crítica, usar o Red Hat Enterprise e pagar pelo suporte é geralmente uma boa opção, já que além de ajuda na implementação, você tem uma equipe pronta para agir em caso de problemas inesperados. Para os demais casos, você pode perfeitamente utilizar o CentOS contando com o suporte comunitário oferecido através dos fóruns do projeto.

O CentOS é também bastante similar ao Fedora, mas nesse caso as diferenças são mais evidentes, já que versões recentes do Fedora são baseadas em pacotes mais atuais, o que invariavelmente leva a mudanças no sistema. De qualquer forma, os passos básicos de instalação e a configuração geral dos dois sistemas são praticamente iguais, de forma que as dicas desse tópico se aplicam também ao Fedora.

Comparar o CentOS e o Fedora para uso em servidores desperta argumentos similares aos de uma comparação entre o Ubuntu e o Debian. O CentOS segue as versões do Red Hat Enterprise, que possui um ciclo de desenvolvimento muito mais longo, onde a principal preocupação é a estabilidade do sistema. O Fedora, por sua vez, é desenvolvido em torno de ciclos muito mais curtos, com uma nova versão sendo disponibilizada a cada 6 meses.

Por um lado isso é bom, já que você tem acesso a versões mais atuais dos pacotes, mas por outro lado é ruim, pois o lançamento mais freqüente de novas versões aumenta sua carga de trabalho como administrador, já que o sistema precisa ser atualizado mais freqüentemente.

Além de serem mais espaçadas, as versões do CentOS recebem atualizações de segurança por um período muito mais longo, que torna a vida útil das instalações muito maior. Um servidor rodando a versão mais atual do CentOS poderia ser mantido em serviço por até 7 anos, recebendo apenas as atualizações de segurança, o que não seria possível no Fedora, onde o suporte às versões antigas é encerrado muito mais rapidamente.

Em resumo, se você não se importa de utilizar softwares ligeiramente antigos e quer um servidor que ofereça um baixo custo de manutenção e possa ser usado durante um longo período sem riscos, o CentOS é mais recomendável. Se, por outro lado, você precisa de versões recentes do Apache, Samba ou outros serviços, ou se tem alguma preferência pessoal em relação ao Fedora, também pode utilizá-lo sem medo.

Embora o Fedora seja em teoria menos estável que o CentOS, ambas as distribuições podem ser consideradas bastante estáveis. Poderíamos dizer que o CentOS é "99% estável" enquanto o Fedora é "98% estável". Ou seja, existe diferença, mas ela é relativamente pequena.

value1

StarUML 5.02

126StarUML é um software que modela vários tipos de diagramas. É um projeto elaborado para trabalhar no Windows de maneira flexível e com ferramentas práticas. Desenhar fluxogramas é útil para que você possa visualizar todos os processos que ocorrem em uma seqüência de tarefas, por exemplo.

 

 

Na barra superior de StarUML, você encontra opções para formatação, como alterar fonte, estilos de linhas das caixas do seu diagrama, alterar o layout, etc. A opção Model (Modelo) permite que você adicione diagramas e verifique se seus projetos estão de acordo com as especificações de UML, bem como converter diagramas seqüênciais para diagramas de elaboração, e vice-versa.

CARACTERÍSTICAS GERAIS

 

UML 2.0

 

UML é a sigla que vem do termo em inglês Unified Modeling Language (Linguagem de modelagem unificada) que é uma é uma linguagem para especificação, documentação, visualização e desenvolvimento de sistemas orientados a objetos. É uma área que vem se expandindo continuamente e é um padrão controlado pelo OMG (Grupo de Gerência de Objeto). StarUML suporta os padrões mais recentes de UML.

 

MDA

 

MDA, sigla do termo inglês Model Driven Architecture (Modelo de Arquitetura Conduzida). É uma tecnologia nova introduzida pelo OMG. StarUML é projetado para suportar a tecnologia MDA e fornecer variáveis de personalização, como perfil de UML, estrutura de aproximação, modelos, código de NX (extensão da notação), entre outras. Essas são ferramentas que auxiliam nos processos e projetos de organização.

 

Arquitetura

 

Os usuários exigem cada vez mais funcionalidades dos softwares de modelagem. Para cumprir as exigências, a ferramenta deve possui uma plataforma definida. StarUML fornece esta arquitetura de maneira simples e poderosa, na qual o usuário pode desenvolver os projetos nas linguagens de programação compatíveis (C++, Delphi, C#, VB).

 

Usabilidade

 

A usabilidade é um fator muito relevante na programação de softwares. StarUML é executado para fornecer características tais como: caixa de diálogo, manipulação do teclado, a visualização geral do diagrama, etc.

 

FERRAMENTAS DE StarUML

 

No menu esquerdo do programa você encontra uma caixa com três ferramentas, que são: ferramentas para classe, anotação e análise.

 

Ferramentas para Classe

 

São objetos com os quais você começa a elaborar seus diagrmas. Você pode incluir subsistemas, pacotes, classes, interfaces, entre outras. E, para dar sentido ao seu projeto, utiliza-se conectores, que podem ser de associação, agregação, dependência, composição, entre outros.

 

Ferramentas de Anotação

 

Com elas você poderá inserir comentários ao seu diagrama. StarUML traz opções para inclusão de caixas de texto, notas, link e formas geométricas.

 

Ferramentas de Análise

 

São ferramentas que devem ser utilizadas durante a análise de implementações. StarUML oferece opções de entidades, controle, limites, associações e generalizações.

 

TIPOS DE DIAGRAMAS

 

StarUML lhe proporciona a opção de modelagem de diagramas, como:

 

Diagrama de Caso de Uso

 

Descreve a funcionalidade proposta para o novo sistema, e geralmente estão relacionados a atores, que podem ser um humano ou uma entidade máquina que interage com o sistema para executar um trabalho significante.

 

Diagrama de Classes

 

É uma representação da estrutura e relações das classes que servem de modelo para objetos, definindo todas as classes que o sistema deve ter, bem como é a base para a construção dos diagramas de comunicação, seqüência e estados.

 

Diagrama de Seqüência ou Diagrama de Seqüência de Mensagens

 

Representa uma seqüência de processos, ou seja, a maneira como os grupos de objetos colaboram em algum comportamento ao longo do tempo.

 

Diagrama de Colaboração

 

Exibe uma interação, consistindo de um conjunto de objetos e seus relacionamentos, incluindo as mensagens que podem ser trocadas entre eles.

 

Diagrama de Atividade ou Fluxograma

 

Representa os fluxos conduzidos por processamentos. É essencialmente um gráfico de fluxo, mostrando o fluxo de controle de uma atividade para outra.

 

Diagrama de Componentes

 

Ilustra como as classes devem ser organizadas de acordo com seus componentes de trabalho.

 

Diagrama de Estrutura Composta

 

Utilizado para descrever a colaboração interna de classes, interfaces ou componentes para especificar uma funcionalidade.

 

Diagrama de Distribuição

 

Apresenta as instâncias dos componentes e seus relacionamentos.

 

StarUML é uma ferramenta excelente para estudantes, bem como para gerentes e administradores, pois você elabora seus projetos com consistência e os resultados finais irão lhe agradar.