value1

Datacenter: entenda o que é PUE e veja um exemplo de estrutura super econômica

8179.15326-Data-center-FacebookCom a tendência crescente dos serviços na nuvem, boa parte do processamento de dados que costumávamos fazer em nossas máquinas agora é feito por grandes datacenters com milhares de computadores interconectados. O aumento do uso desses serviços traz, naturalmente, um aumento do poder computacional desses datacenters assim como o aumento do seu consumo de energia, e quanto mais eficiente forem essas instalações, menores serão os custos de manutenção.

 

Para medir a eficiência energética desses grandes conglomerados de máquinas, um consórcio de empresas conhecido como The Green Grid criou um índice conhecido como PUE (Power Usage Effectiveness). O cálculo é bastante simples e se baseia na relação entre a energia consumida pela instalação inteira e a energia consumida pelos equipamentos da infraestrutura de TI. Quanto mais próximo de 1,0 for esse resultado, melhor.

9148.17200-Datacenters-consomem-ume-enorme-quantidade-de-ener

Nesse cálculo, qualquer componente que não seja estritamente utilizado para realizar cálculos computacionais não entra na parte de baixo da relação. Itens como iluminação, portas automáticas e até mesmo o sistema de refrigeração dessas máquinas não fazem parte da intraestrutura de TI, de forma que quanto mais eficientes os processadores, menor a necessidade de refrigeração, resultando em um PUE mais baixo.

9152.17204-O-sistema-de-resfriamento-nao-conta-como-parte-int

Embora 1,0 seja o mais eficiente possível, na prática ele é um índice impossível de se obter, pois nesses casos só existiriam computadores dentro de um datacenter sem iluminação, sistema de resfriamento ou supervisão de profissionais para manutenções periódicas. Outro detalhe é que, embora as empresas gostem de propagandear esse índice como sinônimo de eficiência energética, ele não quer dizer muita coisa no final das contas pois a forma como ele é calculado dá margem para manipulações.

9150.17202-Na-pratica-o-indice-PUE-nao-diz-se-um-datacenter-e

Apenas como exemplo, uma empresa que possua uma infraestrutura de TI extremamente ineficiente em termos de consumo de energia (processadores mais antigos, por exemplo) terá esse índice bem pequenininho pois o que importa é somente a relação entre um consumo e outro. Por outro lado, outra empresa que possua processadores, discos rígidos e outros componentes que sejam mais econômicos acabam aumentando o índice, pois diminuem o consumo geral para uma mesma quantidade de energia.

9151.17203-O-inverso-do-PUE-e-a-porcentagem-de-consumo-de-ene

É importante sempre ser cuidadoso com esse tipo de dado, pois, na prática uma empresa pode divulgar que é energeticamente eficiente por ter um índice de 1,6, mas consome muita energia e possui uma infraestrutura pouco econômica. Para significar alguma coisa, as empresas devem divulgar também o seu consumo total de energia e o tipo de equipamento que utilizam, dando dados o suficiente para que seja possível concluir se o valor divulgado é bom ou não.

Conhecia o índice Power Usage Effectiveness, ou PUE? Conte-nos nos comentários!

Um bom exemplo de PUE equilibrado

Para tentar diminuir o gasto energético e o consequente impacto ambiental, os fabricantes de datacenters estão cada vez mais preocupados em aumentar a eficiência energética de seus produtos. Hoje, já existem soluções que desempenham bem suas funções com um gasto mínimo de energia. Processadores, HDs e sistemas de resfriamento estão cada vez mais inteligentes e organizados de uma maneira tal que o desperdício se torna ínfimo.

Uma dessas soluções foi desenvolvida pela HP. Batizado de ecoPOD, esse datacenter é considerado, hoje, o mais eficiente do mundo no quesito energético. Em um container padrão, de 12m2, é possível instalar até 2 mil servidores que oferecem o mesmo poder computacional de um datacenter comum, de alvenaria, de 1850 m2

9265.17399-ecoPOD

ecoPOD, da HP: formato compacto e inteligência do processo garantem um PUE bem baixo

O primeiro detalhe que permite tamanha eficiência energética tem a ver com o seu tamanho. Ao ser montado em um container desenvolvido especialmente para esse fim, o ecoPOD tem uma necessidade de resfriamento bem menor que o de datacenters tradicionais. Utilizando corredores de ar quente e de ar frio, o PUE pode chegar a 1,07, dependendo dos equipamentos instalados e do local onde ele está. Em regiões mais frias, por exemplo, o resfriamento pode ser feito apenas utilizando o ar externo. Basta filtrá-lo e "soprá-lo" para dentro do container.

O espaço compacto permite um sistema de refrigeração mais simples do que os utilizados em grandes datacenters, além de um menor gasto com iluminação. O formato de container, desenvolvido especialmente para este projeto, facilita o transporte tanto por navios como por caminhões e assim, a empresa que tiver urgência na instalação dessa infraestrutura consegue fazê-la em poucas semanas - ao contrário dos meses e meses de construção de um datacenter convencional. E, pelo fato de ser modular, a infraestrutura pode ser aumentada ou diminuída de acordo com as necessidades da empresa, evitando o gasto de energia extra. Ao utilizar processadores, discos e equipamentos de última geração, o gasto energético de toda essa estrutura se torna um dos menores do mercado - cerca de 44kW por rack.



Matéria completa: http://canaltech.com.br

value1

Deputados aprovam projetos de lei que criminalizam delitos cometidos na web Matéria completa: http://canaltech.com.br/noticia/internet/Deputados-aprovam-projetos-de-lei-que-criminalizam-delitos-cometidos-na-web/#ixzz2GFEVcVB8 O conteúdo do Canaltech é p

Deputados-aprovam-projetos-de-lei-que-criminalizam-delitos-cometidos-na-web 4449ppQuando o assunto é punir cibercriminosos, o Brasil ainda está engatinhando. Afinal, nós não possuímos uma legislação condizente com a realidade do mundo conectado em que vivemos.

 

Mas ontem (07), uma notícia saída diretamente da Câmara dos Deputados acendeu uma luz no fim no túnel para lembrar que as coisas estão caminhando. Dois projetos de lei que visam tornar crime os delitos cometidos na Internet foram aprovados pelos representantes.

Atualmente, quando alguém comete um dos crimes especificados por esses projetos, é enquadrado em outro tipo de delito – que não tem nada a ver com a web. Por exemplo, se alguém falsifica um cartão de crédito com dados obtidos eletronicamente, é autuado e punido como se tivesse falsificado documentos particulares.

O texto aprovado prevê que diversos crimes cibernéticos sejam tipificados, entre eles a disseminação de vírus por meio de invasão de dispositivos informáticos alheios, pendrives etc. A pena prevista para este tipo de crime é de três meses a um ano de prisão.

Aqueles que conseguirem segredos comerciais, industriais ou conteúdos privados por meio da violação de mecanismo de segurança de equipamentos de informática sofrerão a mesma pena citada acima. Já a falsificação do cartão de crédito que comentamos no início desse texto, agora, será considerada um crime por si só, e o cibercriminoso ainda pode ficar recluso de um a cinco anos, fora uma multa que será aplicada.

Os conteúdos e comentários racistas feitos na Internet também deverão ser retirados imediatamente do ar, sem depender de burocracias judiciais. Por fim, o texto também aprova a criação de delegacias especializadas no combate aos crimes virtuais, praticados por meio da Internet ou por sistema informatizado.

Os textos, que já foram aprovados pelo Senado, agora seguem para sanção presidencial.



Matéria completa: http://canaltech.com.br

value1

Google adiciona manuscritos do Mar Morto à sua biblioteca digital

manuscritos-do-Mar-MortoO Google, em parceria com a Autoridade de Antiguidades de Israel, postou online cerca de 5 mil imagens dos antigos Manuscritos do Mar Morto.

Pedaços dos textos postados incluem uma das conhecidas cópias mais antigas do Livro do Deuteronômio, que contém os Dez Mandamentos. As imagens também incluem parte do Livro do Gênesis, que relata a criação do mundo. Para estas últimas imagens, o Google trabalhou com a Autoridade de Antiguidades de Israel para lançar a biblioteca digital “Leon Levy Dead Sea Scrolls”.

Estas imagens se juntam aos cinco manuscritos do Mar Morto que o Google já colocou na Internet. "Hoje, estamos ajudando a colocar mais estes antigos tesouros online", escreveu Eyal Miller, uma gerente de tecnologia do Google Israel, em um post de blog. "Os arquivos incluem textos de 2 mil anos de idade, lançando luz sobre o momento em que Jesus viveu e pregou, e sobre a história do judaísmo."

Os Manuscritos do Mar Morto, que são considerados de importância histórica e religiosa, são manuscritos bíblicos escritos há mais de 2 mil anos, em pergaminho e papiro. Eles incluem os primeiros exemplares sobreviventes de conhecidos documentos bíblicos. Há cerca de 970 textos que foram descobertos na costa noroeste do Mar Morto entre 1946 e 1956.

"Milhões de usuários e estudiosos podem descobrir e decifrar detalhes invisíveis a olho nu, em 1215 dpi de resolução", escreveu Miller. "O site mostra imagens infravermelhas e em cores que são iguais em qualidade para os próprios manuscritos. Há um banco de dados contendo informações para cerca de 900 dos manuscritos, assim como páginas de conteúdo interativo."

Cinco inovações que vão mudar as nossas vidas em cinco anos

A IBM acaba de anunciar a sétima edição do "IBM 5 in 5" – uma lista de inovações que têm o potencial de mudar a forma como as pessoas irão trabalhar, viver e interagir nos próximos cinco anos, explorando nossos cinco sentidos.

 

Vale ressaltar que boa parte das tecnologias é pesquisada diretamente pela IBM em seus laboratórios. Ou seja: essa lista pode ter mais a ver com tecnologias que a empresa gostaria que se tornassem padrão nos próximos anos, do que com as inovações que, de fato, farão parte do cotidiano das pessoas.

Confira:

Tato: Seremos capazes de tocar através de um smartphone
Imagine usar o smartphone para comprar um vestido e ser capaz de sentir o cetim ou a seda de que é feito a partir da superfície da tela sensível ao toque? Em cinco anos, a possibilidade de tocar num objeto através de um dispositivo móvel obrigará algumas indústrias, como a do varejo, a transformar-se.

Os cientistas da IBM estão desenvolvendo aplicações para setores como o comércio e o da saúde, usando a ciência háptica, ou seja, tecnologias de infravermelho e pressão sensitiva que simulam o toque. É como sentir a textura de um tecido, bastando para tal passar os dedos pelo item que está na tela do dispositivo. Utilizando as funcionalidades de vibração do telefone, cada objeto receberá um conjunto único de padrões de vibração correspondente, o que simulará a experiência do toque: padrões de vibrações curtos e rápidos ou mais longos e fortes. O padrão de vibração vai diferenciar a seda do linho ou do algodão, ajudando a simular a sensação física de realmente tocar no objeto.

Esta tecnologia irá tornar-se trivial no nosso dia a dia, transformando os celulares em ferramentas de interação natural e intuitiva com o mundo à nossa volta.

Visão: Um pixel valerá mais do que mil palavras
500 mil milhões de fotos são tiradas todos os anos e 72 horas de vídeo são carregadas no YouTube a cada minuto. O mercado mundial para diagnóstico médico por imagem deverá crescer para 26,6 mil milhões de dólares até 2016.

Mas hoje os computadores só percebem imagens através do texto que usamos para as identificar e catalogar; a maioria da informação – o conteúdo real da imagem – ainda é um mistério.

Nos próximos cinco anos, os sistemas não só serão capazes de ver e reconhecer o conteúdo de imagens e de dados visuais, como conseguirão dar um significado aos pixeis  começando a compreender o sentido de um pixel, à semelhança do que fazem os humanos ao interpretarem uma fotografia. No futuro, as capacidades de comparação e associação vão permitir que os computadores consigam analisar características como a cor, padrões de textura e informação exterior e extrair conhecimento dos formatos visuais. Isto terá um impacto profundo em setores como a saúde, o comércio e a agricultura.

Dentro de cinco anos, estes recursos serão colocados à disposição da Saúde, dando sentido ao volume massivo de informação médica com que os profissionais de saúde se debatem diariamente, como ressonâncias magnéticas, tomografias computadorizadas, raios-X e imagens de ultrassom, para capturar dados referentes a  uma anatomia em particular e a determinadas patologias.

O que é realmente importante nestas imagens pode ser tão sutil ou invisível que é difícil de detetar pelo olho humano, o que requer uma avaliação cuidadosa. Ao serem configurados para segmentar o que se deve procurar nas imagens – diferenciar, por exemplo, o tecido saudável do doente – e correlacionar essa informação com registos de pacientes e com o que figura na literatura científica, os sistemas que conseguirão "ver" vão ajudar os médicos a detetar problemas de saúde a uma velocidade muito maior e com mais precisão.

Audição: Os computadores passarão a ouvir o que importa
Alguma vez desejou conseguir dar sentido aos sons que o rodeia e ser capaz de compreender o que não está sendo dito?

Dentro de cinco anos, um sistema distribuído de sensores inteligentes irá detetar elementos do som, como a pressão sonora, as vibrações e as ondas sonoras em diferentes frequências. Este sistema será capaz de interpretar esses dados para prever, por exemplo, quando uma árvore está prestes a cair em uma floresta ou quando um deslizamento de terra é iminente. Tal sistema irá "ouvir" o ambiente que nos rodeia e avaliar movimentos, de modo a nos avisar que o perigo está à nossa frente.

Sons em estado bruto serão detetados por sensores, à semelhança do que acontece no cérebro humano. O sistema que recebe os dados terá como parâmetro outros "modelos", como a informação visual ou tátil, e  passará a classificar e a interpretar os sons com base no que já aprendeu. Quando novos sons são detetados, o sistema irá formar conclusões com base no conhecimento adquirido e na capacidade de reconhecer padrões.

Por exemplo, "a fala do bebê" será estabelecida como uma linguagem, capaz de revelar aos pais e aos médicos o que as crianças estão tentando expressar. Padrões de sons podem ser uma forma de interpretar o comportamento de um bebê e as suas necessidades. Ao ser ensinado sobre o que os sons dos bebés significam – fome, cansaço ou dor – um sofisticado sistema de reconhecimento de voz conseguirá correlacionar os sons e o balbuciar das crianças com informação sensorial e fisiológica, como a frequência cardíaca, o pulso e a temperatura.

Sabor: O paladar digital vai ajudar a comer de forma mais inteligente
E se conseguíssemos que a comida saudável tivesse um sabor delicioso usando um tipo diferente de sistema computacional que é concebido para a criatividade dos cozinheiros?

Investigadores da IBM estão desenvolvendo um sistema que realmente experimenta o sabor, para ser usado por chefs de modo a criarem as receitas mais saborosas. Esta descoberta vai usar os ingredientes ao nível molecular e misturar a química dos compostos alimentares com a psicologia por trás dos sabores e dos cheiros que os humanos preferem. Comparando tudo isto com milhões de receitas, o sistema será capaz de criar novas combinações de sabores juntando, por exemplo, castanhas assadas com outros alimentos, como caviar cozido, beterraba doce ou presunto seco.

Um sistema como este também pode ser usado para ajudar a comer de uma forma mais saudável, criando novas combinações de sabores que nos fazem querer comer  vegetais em vez de batatas fritas.

O computador será capaz de utilizar os algoritmos para determinar de forma precisa a estrutura química dos alimentos e o porquê de os humanos preferem certos sabores em relação a outros. Esses algoritmos conseguirão analisar como é que componentes químicos interagem entre si, qual a complexidade molecular dos compostos do sabor e a sua estrutura de ligação, e usar essa informação, juntamente com os modelos de percepção, para prever a tendência de sabores.

Esta descoberta não só vai tornar os alimentos saudáveis mais apreciados – mas vai também surpreender-nos com uma combinação incomum de alimentos, que vai maximizar a experiência de sabor e de aroma. No caso de pessoas com necessidades alimentares especiais, como os diabéticos, a ideia seria desenvolver sabores e receitas que mantenham regulados os níveis de açúcar no sangue, satisfazendo ao mesmo tempo o paladar com um toque adocicado.

Olfato: Os computadores conseguirão capturar e identificar cheiros
Durante os próximos cinco anos, pequenos sensores embutidos no computador ou no celular conseguirão detetar se o usuário está ficando doente, por exemplo, com gripe. Ao analisar os odores, os biomarcadores e as milhares de moléculas provenientes da respiração, os médicos terão o diagnóstico de doenças como disfunções renais ou hepáticas, diabetes, asma e epilepsia, facilitado através da nova funcionalidade dos computadores e smartphones que conseguirão detetar os odores normais e os anormais.

Devido aos avanços em sensores e tecnologias de comunicação, em combinação com os sistemas de aprendizado, os sensores podem medir dados em lugares que nunca se pensou ser possível. Por exemplo, os sistemas computacionais podem ser usados na agricultura para "cheirar" ou analisar a condição do solo para plantações. Em ambientes urbanos, esta tecnologia vai ser usada para monitorizar problemas como o saneamento e a poluição – ajudando os responsáveis a detetar potenciais problemas antes que estes saiam do controle das autoridades.

value1

App do Facebook para Android fica mais veloz App do Facebook para Android fica mais veloz

FacebookO Facebook lançou uma nova versão para o seu aplicativo para smartphones Android, que permite acessar mais rapidamente as mensagens, linha do tempo e notícias. O lançamento do app marca a reescrita de várias partes principais do software da rede social, com o intuito de abandonar o HTML5.

 

"Nós reconstruímos vários dos recursos principais em código nativo do Android, incluindo o feed de notícias e a timeline, a fim de criar uma experiência mais rápida ao carregar o aplicativo, visualizar fotos, ou interagir com os amigos", escreveu o engenheiro do Facebook para Android, Frank Qixing Du, em um post no blog de engenheiros da empresa. "Agora, você pode comentar e curtir uma história mais rapidamente e o carregamento de fotos foi otimizado para ser muito mais rápido. Nós também construímos um novo banner de atualização automática para mostrar as histórias mais recentes, não importando em que local do feed de notícias o usuário está."

O Facebook apostou em uma mistura do código Android que roda no dispositivo e páginas da web que são codificados em HTML5 para que se pareçam com telas de aplicativos. Mas no início deste ano, o CEO da rede social, Mark Zuckerberg, disse que estava mudando tudo isso.

"Acho que o maior erro que cometemos como empresa foi apostar no HTML5 em vez do código nativo", disse Zuckerberg ao TechCrunch, durante a conferência Disrupt, que ocorreu em setembro, em São Francisco.

O resultado será um aplicativo que carregará visivelmente mais rápido e será duas vezes mais rápido ao navegar por fotos e pela linha do tempo, disse o FB na quinta-feira.

O novo aplicativo, Facebook versão 2.0 para Android está disponível para download na loja do Google Play.

A rede social de Mark Zuckerberg espera desenvolver outras melhorias no futuro. "A infraestrutura interna permitirá que continuemos a fazer o aplicativo ainda mais rápido, mais suave e rico em recursos", disse.

value1

Twitter agora permite que usuários baixem um histórico de seus tweets

O Twitter começou a liberar um recurso prometido no início deste ano que permite aos seus usuários baixar para seus computadores um arquivo com seus tweets.

 

A ação acontece em meio a concorrência crescente no cenário da mídia social. Há algum tempo, o Facebook liberou um recurso similar para os seus membros. Em abril, a rede social expandiu a ferramenta "Download Your Information" (Baixe suas Informações, em tradução) e incluiu nos arquivos baixados os nomes utilizados pelo usuário, solicitações de amigos e endereços de IP usados para acessar a rede social.

A liberação da ferramenta no Twitter foi divulgada por usuários do próprio serviço. O usuário "Psanta"disse que "se o recurso estiver ativado na sua conta, você vai encontrá-lo na parte inferior da página de configurações”. Ele explica, no entanto, que a ferramenta está sendo gradualmente implementada pela rede social e ainda não está disponível para todos.

Outro membro do Twitter, Navjot Singh, também teve o recurso ativado em sua conta. Depois de selecionar a opção em suas configurações, ele recebeu um e-mail com instruções sobre o que fazer para obter o seu arquivo. Segundo o The Next Web, que obteve uma cópia do e-mail, as instruções do Twitter diziam:

"Estamos felizes em dizer que o arquivo que você solicitou já está disponível para download. Seu arquivo pode conter conteúdo sigiloso. Então por favor, mantenha isso em mente antes de compartilhá-lo com ninguém."

No final da mensagem havia um link para download do arquivo.

Singh, que aparentemente não tinha qualquer informação privada em seu arquivo, enviou uma cópia ao jornalista do The Next Web, Martin Bryant, que confirmou que era arquivo HTML semelhante a uma página do Twitter. As mensagens são organizadas por mês e o usuário pode pesquisá-las também.

O The Next Web confirmou a liberação do recurso com uma segunda fonte - um tradutor coreano, que recebeu a tarefa do Twitter de traduzir uma mensagem que informava a seus membros sobre o novo recurso de arquivamento. Essa mensagem dizia:

"Você pode solicitar um arquivo que contém suas informações, começando pelo seu primeiro tweet. Um link será enviado a você quando o arquivo está pronto para ser baixado."

No início deste ano, o CEO do Twitter, Dick Costolo, disse que o serviço de microblog estava trabalhando em um recurso de arquivamento e que estaria pronto no final do ano.

value1

Google cria logo para homenagear os 200 anos dos Contos de Grimm

01zmaisgooglee

Eles têm nomes como "A Bela Adormecida" ou "O Rei Sapo" e falam de mundos maravilhosos, do direito à felicidade e da vitória do bem sobre o mal. E levam crianças de todo o mundo às lágrimas há dois séculos.

 

A atriz Marlies Ludwig abaixa seu tom de voz e dá uma olhada para a plateia, composta por 20 alunos dos primeiros anos do ensino fundamental, sentados confortavelmente a seus pés sobre almofadas coloridas. Acompanhados da professora, eles participam do evento Berliner Märchentage, um festival de contos de fadas que acontece na capital alemã.

De início, as crianças ainda permanecem um pouco inquietas, mas na medida em que a atriz começa a contar a história de Chapeuzinho Vermelho, elas concentram a atenção no que ela tem a dizer. E assim ficam durante uma hora.

Histórias que prendem a atenção

Marlies Ludwig encarna diversos personagens: ela coaxa como um sapo, esconjura como a mulher ranzinza do pescador e dança como a Gata Borralheira no dia do baile. De vez em quando ela recorre, para continuar contando a história, ao auxílio das crianças, que às vezes a corrigem em alto e bom som. Isso quando ela conta algum dos contos de fadas de maneira diferente daquela escrita pelos Irmãos Grimm.

festival-de-contos-de-fadas-em-berlimFestival de Contos de Fadas em Berlim: atenção garantida

"As fábulas dos Irmãos Grimm são um fenômeno", diz Carola Pohlmann, diretora do Departamento Juvenil da Biblioteca Pública de Berlim e curadora da mostra Chapeuzinho Vermelho vem de Berlim. A exposição, aberta desde o início de novembro último, rastreia os 200 anos dos contos de fadas dos Irmãos Grimm em sua trajetória única de sucesso.

De fato, os Contos de Grimm são a obra alemã mais disseminada em todo o mundo, depois da Bíblia de Martinho Lutero. Eles foram traduzidos para mais de 160 línguas e são até hoje frequentemente narrados, seja em forma de histórias em quadrinhos, livros ilustrados, desenhos animados ou filmes de ficção, mas também em videoclipes, audiolivros ou encenações.

Exímios colecionadores

De início, nada levava a crer que esses contos iriam alcançar tamanho sucesso. Principalmente porque as fábulas coletadas pelos Irmãos Jacob e Wilhelm Grimm, a partir de uma ideia de Clemens Brentano, poeta do Romantismo alemão, no início do século 19, soavam em sua primeira edição muito duras e pouco adequadas às crianças.

Os Grimm propuseram a si próprios na época executar uma tarefa científica, guiados pelo desejo de coletar a literatura popular e assegurar suas fontes sem manipulá-las. O primeiro volume da primeira edição de sua coleção de contos de fadas foi publicado em 1812, com apenas 900 exemplares. Seu título original era Kinder- und Hausmärchen (Contos Infantis e Domésticos).

ilustracao-de-tom-seidmann-freudIlustração de Tom Seidmann-Freud: 'O mingau doce', de 1923, faz parte da exposição em Berlim

O sucesso viria depois, com modificações essenciais no texto e através de incrementos em determinadas cenas, inclusive por meio da famosa frase inicial: "Era uma vez...". E do fim recorrente: "E viveram felizes para sempre". A partir de 1830, as fábulas passaram a ser apreciadas por um público cada vez maior, também em função das ilustrações que passaram a acompanhá-las. Dentro de poucas décadas, já eram conhecidas em todo o mundo.

Tom de contos de fadas

Os Irmãos Grimm, diz Carola Pohlmann, encontraram evidentemente um tom e uma forma que o mundo todo associa a contos de fadas. E já que os temas sobre os quais versam as fábulas são também encontrados em outras formas na literatura popular, os Contos de Grimm acabam sendo compreendidos em qualquer lugar do mundo.

As fábulas dos Grimm, completa Pohlmann, "estão em casa em diversas culturas". Crianças com raízes em países do Leste Europeu, na África, na América do Sul ou na Ásia têm com esses contos muitas vezes uma empatia imediata.

o-mundo-maravilhoso-dos-contos-de-fadas-como-peca-teatralO mundo maravilhoso dos contos de fadas como peça teatral

As diversas edições que foram sendo publicadas no decorrer dos anos refletem não apenas as predileções de cada cultura, mas também a mudança nos padrões de gosto. Se em meados do século 19 os livros ainda eram coloridos à mão, há ainda nas bibliotecas alemãs edições rebuscadas e kitschdatadas do pós-guerra, impressas sob condições precárias em papel de má qualidade. Hoje, o mercado editorial de língua alemã oferece interpretações contemporâneas das fábulas, com ilustrações espirituosas, como, por exemplo, as de Rotraut Susanne Berner ou de Tomi Ungerer.

Novas formas de contar histórias

Mas, diz Pohlmann, a grande mágica destes contos está na própria história. E no fato de que eles podem ser maravilhosamente narrados por alguém que acaba sempre "acrescentando um ponto". Como a leitura para as crianças é algo que caiu em desuso em muitas famílias, os organizadores do festival berlinense resolveram trazer, com o Berliner Märchentage, um substituto para essa leitura doméstica em voz alta.

A programação inclui mais de 800 eventos por ano. Na última edição, o evento contabilizou mais de 150 mil visitantes. No festival, percebe-se que ouvir histórias é sempre um deleite. E que não apenas atores e atrizes conseguem fazer isso, mas também atletas, empresários ou políticos. Os mentores do projeto estão sempre tendo ideias novas, a fim de atrair as crianças ao mundo das fábulas. E fazer com que elas fiquem atentas e pacientes, quando tudo promissoramente começa com um "era uma vez...".

Autora: Silke Bartlick (sv)
Revisão: Mariana Santos

fonte: http://www.dw.de

value1

Google oferece internet WiFi gratuita em bares no Brasil

google-free-wifiInternet, sem fio, de graça e do Google é o que 150 bares espalhados em sete cidades das regiões Sul e Sudeste do Brasil terão a partir do próximo sábado. O projeto Free WiFi, pretende levar a rede para mais de 2 milhões de usuários nas cidades de São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR), Porto Alegre (RS), Florianópolis (SC), Belo Horizonte (MG) e Campinas (SP).

 

getMapa do Google mostra localização dos bares que participam do projeto

A iniciativa, criada pelo Google em parceria com a Enox On-Life Media, terá duração de 90 dias e será realizada em diversos bares, como Eu, Tu, Eles (SP), Bar Brahma (SP), São Bento (SP), Rota 66 (RJ), Azeitona & Cia (RJ), Cervejaria Devassa (MG), Amarelim Savassi (MG), Taj Bar (PR), Boteco Santi (PR), Sunset Bar (SC), Guacamole (SC), Boteco Imperial (RS), Boteco Natalício (RS), entre outros.

"Sabemos que os brasileiros estão utilizando cada vez mais seus telefones e tablets. Só para ter ideia, o número de pessoas com smartphone no Brasil é maior do que na Alemanha, França e Austrália, sendo que a maioria utilizam seus dispositivos todo dia, para ler notícias, assistir a vídeos e se conectar aos amigos", comenta Maia Mau, gerente de marketing do Google Brasil.

O usuário poderá visualizar em quais bares o projeto está disponível através do site oficial do projeto, onde um mapa sinalizará os estabelecimentos participantes. Não foi divulgada a velocidade da conexão.

value1

E-mail marketing mobile: mais do que adaptação, um desafio estratégico

Mobile-Email-MarketingO e-mail está cada dia mais móvel, mostra uma pesquisa recente da DMA – Direct Marketing Association. Mas até aí, nenhuma novidade. Com a expansão do mercado de smartphones e tabletes era nítido que essa tendência iria se concretizar. Mas se isso parece tão evidente, por que, no Brasil, esse mercado ainda é tão pouco explorado pelo o e-mail marketing?

Vemos que a maioria das empresas ainda não direcionam campanhas específicas à essas tecnologias.

Em 2013, a estratégia mobile será determinante para o sucesso das campanhas. Até mesmo pela correria do dia-a-dia, as mensagens estão deixando de ser vistas em desktops e notebooks, por isso, a tendência é que as pessoas utilizem, cada vez mais, seus dispositivos móveis também para visualizar os e-mails.

Recentemente, no Internet Retailer e no Shop.Org (Chicago) tive oportunidade de entender como grandes varejistas de todo o mundo estão tratando o e-mail marketing.

Lá, o varejo já compreendeu que o e-mail é uma potente arma de relacionamento e não pode mais ser tratado como uma simples ferramenta de comunicação em massa. Se o e-mail marketing, como o conhecemos, ainda precisa de muita atenção com a personalização, com o ser diferente sem criar uma overdose de informações, ter foco, atenção, e ainda em como encantar esse cliente, imagine então o quanto temos que repensar nossas ações para mobile?

Assim, não se trata apenas de adaptar-se ao momento, mas sim de saber aproveitar novas oportunidades de abordagem deste consumidor. Tenha em mente que o e-mail marketing móvel tem que ser desenvolvido para esta finalidade e não apenas ajustado.

As configurações técnicas de dimensão, abertura, visualização precisam ser pensadas de maneira exclusiva, bem como as estratégias e os conteúdos devem ser diferenciados pelos usuários via browser. Por exemplo: ofereça um link “versão mobile” no layout tradicional. A partir do momento em que o usuário clicar nesta opção, é que a versão otimizada será disponibilizada.

Se, até este momento temos um mercado que se adapta à mobilidade conforme surgem as demandas, o crescimento das aberturas via mobile é fato!

A taxa de abertura de e-mails em smartphones e tablets, que no final de 2010 era de apenas 13%, saltou para 36% neste ano. A conclusão é da Knotice, empresa de gerenciamento de dados on-line com base em Akron, no estado americano de Ohio. Em seu estudo, ela avaliou 807 milhões de e-mails disparados por empresas de 11 setores dos Estados Unidos.

grafico

Fonte: Knotic – Gráfico mostra a evolução da leitura de e-mail por dispositivos móveis desde 2010

Design e conteúdo das campanhas de e-mail marketing também serão impactados por esta tendência. Vejamos algumas dicas para que você não erre na hora de criar seu HTML:

1-    Pensando em design, escolha sempre o mais simples. O importante é que a mensagem seja transmitida. Cuidado com as imagens e links. Muitos elementos  podem acabar “irritando” os usuários. Por isso, enxugue as informações ao máximo. Lembre-se sempre que a tela de um dispositivo móvel é menor que a de um computador.

2-    Foque no lead!. Coloque o  conteúdo mais relevante  logo no topo da mensagem. Logotipos e Banners acabam se tornando secundários.

3-    As fontes utilizadas também são muito importantes. Deixe os textos legíveis e atenção porque detalhes como a distância do usuário em relação à tela de um mobile devem ser levados em conta já que se ele estiver andando na rua a visualização é diferente de quando ele está parado. Certifique-se de que a leitura será limpa de qualquer forma.

Mantenha o básico em mente: personalização e conhecimento sobre os hábitos de seus clientes são indispensáveis. E não se esqueça: Monitore sempre o crescimento de suas aberturas em mobile!

fonte:http://ecommercenews.com.br/

value1

Open source: 9 projetos mais bem-sucedidos em 2012

200px-Opensource.svgÉ hora de olhar para trás e analisar quais tecnologias brilharam mais em 2012. Entre estas, algumas na área de código aberto conquistaram espaço no mercado. Veja a seguir nove projetos de open source que tiveram mais sucesso durante este ano:



1- Apache Hadoop
2012 foi o ano da decolagem do Big Data e da disseminação do Hadoop, projetada para tratar grandes volumes de informação. Vários distribuidores da ferramenta estão disputando a liderança do mercado. Hortonworks, Cloudera e MapR são apenas três dos líderes, mas gigantes como a IBM também abraçaram a plataforma. A revolução de dados grande só vai aumentar e parece que o código aberto Hadoop tem cimentado a sua posição de liderança. É usado por empresas como: Yahoo, Google, Facebook, Amazon.com e eBay.

2- MongoDB
A revolução de Big Data tem exigido o desenvolvimento de bancos de dados não-relacionais para fazer análise de grandes volumes de informações. Embora seja muito cedo para declarar um vencedor na corrida NoSQL, o MongoDB da 10gen, desenvolvedora da aplicação, parece estar na frente. Com uma equipe bem-sucedida de veteranos de tecnologia, o MongoDB é geralmente reconhecido como o líder, até mesmo por seus concorrentes. É usado por Etsy, Disney, CraigsList, Foursquare e The New Yok Times.

3- OpenStack
Com capacidade para gerenciar componentes de múltiplas infraestruturas virtualizadas, o OpenStack é resultado de esforço conjunto da Nasa (Agência Espacial Americana) e do provedor Rackspace. Chamado de sistema operacional da nuvem, o projeto já é suportado por diversas empresas. Porém, o apoio generalizado que gerou criticas de especialistas, que questionam a interoperabilidade em nuvem e falta de clareza sobre companhias que estão apoiando o projeto. Ainda assim, existem mais de 6 mil linhas de código em OpenStack, o que sinaliza que alguém está fazendo algo. O projeto tem como principais concorrentes a Amazon e CloudStack. É usado pela NASA, HP, AT&T, Deutsche Telekon, etc

4- Pentaho
O Pentaho conquistou espaço no terreno de business intelligence, integração com parceiros de Hadoop, bem com empresas NoSQL. A tecnologia também levantou capital e reforçou o número de clientes em 2012. Tem parcerias com HP, Read Hat, Cloudera, MySQL e Accenture

5 - PostgreSQL
Apesar de ter havido muito barulho em torno de NoSQL, o mar para banco de dados relacional tradicional não secou. Embora o MySQL tenha deixado a comunidade preocupada quando passou para as mãos da Oracle, ele abriu uma janela para um outro banco de dados open source. Trata-se do PostgreSQL, que é suportado comercialmente pela EnterpriseDB. A plataforma avançou no mercado. É usada por Skype, Reddit, State Farm, Sony online e Instagram.

5- Joomla
O gerenciador de conteúdo de website de código aberto se tornou um dos mais utilizados para desenvolvimento de lojas virtuais, blogs, portais e catálogos online. A plataforma se destacou por suportar vários aplicativos diferentes e extensões para dar aos usuários mais poder e flexibilidade na produção de sites customizados. A ferramenta já registrou mais de 35 milhões de downloads.

6- WordPress
Enquanto o Joomla se posicionou como plataforma de gerenciamento de conteúdos para construção de sites, o WordPress se tornou a preferida dos blogs. Especialistas do mercado afirmam que o WordPress é a tecnologia mais popular na categoria de Web Management. Embora as preocupações de segurança tenham aumentado nos últimos anos, a tecnologia tem se mostrado como uma das menos vulneraveis. É usada por sites como da CNN, Forbes, Reuters, Mashable

7- DotNetNuke
Menos conhecido na lista das plataformas WCM, o sistema DotNetNuke (DNN), para criação de aplicativos web na plataforma .Net da Microsoft, teve um ano excepcional. Em outubro desse ano, a Microft fechou um parceria estratégica para levá-la para sua arquitetura de nuvem Azure. Além disso, o projeto continua a adicionar várias funcionalidades para suportar e-commerce e hospedagem em cloud. 

8- SugarCRM
O SugarCRM, sitema de gerenciamento de clientes está construíndo história de sucesso. Durante muito tempo, foi considerado apenas uma versão de código aberto da Salesforce.com. Mas emergiu e vem avançando no mercado. Com várias opções de consumo, a ferramenta tem ofertas com preços para atender clientes de portes variados. Com inovação, o CRM encontrou o seu lugar. Já tem integração com Sharepoint (Microsoft), Lotus Notes, Yahoo Mail, Outlook e Gmail.

9- Audacity
Embora não seja um grande sucesso comercial como o resto dos projetos de código aberto mencionados, o software de edição digital de áudio Audacity vem se destacando no mercado pela sua facilidade de uso. Eu não estou ciente de qualquer suporte comercial da empresa e serviços, mas quem precisa? Ele simplesmente funciona. Se você tem que trabalhar com arquivos de áudio, o Audacity se apresenta como uma ferramenta poderosa. O sistema já foi baixado cerca de 70 milhões de vezes.