value1

Manifesto pró reforma trabalhista é lançado por Entidades de TI do Brasil

Manifesto pró reforma trabalhista é lançado por Entidades de TI do Brasil

Doze entidades de tecnologia lançaram manifesto pedindo apoio à reforma trabalhista. No entendimento das entidades, a aprovação da reforma proposta permitirá a inclusão do trabalhador da era digital, a chamada Economia Digital, que abrange um novo perfil de profissional, o qual não vê jornadas de trabalho diferenciadas como um problema, mas almeja também flexibilidade e equilíbrio entre profissão e vida pessoal. Continue reading "Manifesto pró reforma trabalhista é lançado por Entidades de TI do Brasil"

value1

Microsoft adquire LinkedIn por US$ 26,2 bilhões

Microsoft adquire LinkedIn, em comunicado, fabricante do Windows revelou que a rede social corporativa manterá sua marca, cultura e independência.

O mercado de tecnologia começou a semana em ritmo intenso. A Microsoft anunciou no começo dessa segunda-feira (13/06) que desembolsará nada menos que US$ 26,2 bilhões, em dinheiro, pelo LinkedIn. Continue reading "Microsoft adquire LinkedIn por US$ 26,2 bilhões"

value1

LinkedIn paga 6 milhões de Dólares por horas extraordinárias

LinkedIn, rede social profissional criada na Califórnia em 2002 e que conta com cerca de 300 milhões de utilizadores registados, foi condenada a pagar seis milhões de dólares (aproximadamente 4.4 milhões de euros) em salários e compensações após acusação de não ter contabilizado todas as horas extra feitas pelos colaboradores.

 

O Departamento de Trabalho dos EUA emitiu uma ordem para que todos os pagamentos fossem regularizados e, como tal, 359 funcionários (alguns já fora da empresa) irão receber 3.3 milhões de dólares em remunerações e 2.5 milhões de dólares por danos sofridos com a falta de pagamento.

O Linkedin cooperou na investigação e irá proceder ao pagamento de todos os valores em falta, tendo também garantido de que irá empregar esforços para situações desse teor não se voltem a repetir.

fonte: http://www.tecnologia.com.pt

value1

LinkedIn: 8 erros que não deve cometer

Para você, que se encontra à procura de novas oportunidades profissionais saiba quais os principais erros que não deve cometer na sua conta do LinkedIn.

 

Segundo Nicole Williams, especialista em gestão de carreira no LinkedIn, refere que ao analisar várias contas nesta rede profissional, verificou que existem erros que se repetem em vários perfis e que podem custar ao seu utilizar uma nova oportunidade de carreira.

Primeiro erro: Não colocar fotografia no perfil

Segundo Nicole, o seu perfil no LinkedIn tem 7 vezes mais hipóteses de ser visualizado se tiver associado uma fotografia. É como um anúncio imobiliário: se não tiver nenhuma fotografia, pode-se pensar que alguma coisa está errada.

Segundo erro: Usar uma imagem errada

Pior do que não ter uma fotografia sua associada, é ter uma imagem de um animal de estimação, do seu bébé, ou de um boneco. Reforço a ideia de que a imagem está lá, para mostrar o seu melhor lado profissional e não o pessoal.

Terceiro erro: Status

Atualmente, facilmente se consegue saber a sua vida social. O LinkedIn é o lugar ideal para destacar o seu sucesso profissional. Por isso, tenha cuidado com o que escreve nesta rede profissional sobre a sua vida privada.

Quarto erro: Enviar convites padrão para todos os seus contatos

Não se esqueça que no LinkedIn, você está a tentar construir uma rede profissional, com o intuito de ter acesso a oportunidades de carreira.

Neste caso, ao escolher os seus contatos, priveligie a qualidade em vez da quantidade, pois os possíveis empregadores também vão analisar os seus relacionamentos profissionais.

Quinto erro: Não redefinir as configurações de privacidade

Cuidado! Quando se encontrar à procura de outra oportunidade profissional, não se esqueça de alterar as suas configurações de privacidade de modo a que o seu atual empregador não possa ver que se encontra à procura de novas oportunidades.

Sexto erro: Não preencher o espaço de resumo

Preencher o espaço resumo da sua página no LinkedIn, é uma forma de se vender e destacar a si próprio. Não se enqueça que existem cada vez mais pessoas a concorrer para o mesmo cargo, preencher o resumo pode-lhe dar uma vantagem com o seu possível futuro empregador.

Sétimo erro: Excluir experiência profissional e voluntariado

Você deve listar todas as suas experiências profissionais no LinkedIn, ao contrário do que você faz com o seu CV, que enumera a experiênia profissional em função do cargo a que se candidata. Você não sabe quais os critérios de procura do empregador e, deste modo, tem uma hipótese de se diferenciar dos restantes trabalhadores.

Oitavo erro: Não saber esperar

Muitos utilizadores do LinkedIn esperam que ao efetuar a sua página apareça logo uma proposta irrecusável e, como tal, quando isso não acontece tendem a desmoralizar.

Não perca a esperança, invista com frequência na sua página no LinkedIn e verá o seu esforço recompensado.

value1

8 dicas para melhorar o perfil de uma empresa no LinkedIn com a ajuda do Groups Matéria completa: http://corporate.canaltech.com.br/noticia/redes-sociais/8-dicas-para-melhoras-o-perfil-de-uma-empresa-com-o-LinkedIn-Groups/#ixzz2u0DAe1ip O conteúdo do Ca

liinkedin-gruposO LinkedIn, rede social e profissional que veio ao ar em 2011, cresceu de forma significativa no mundo todo. No entanto, conquistou poucos adeptos no Brasil, se considerar que os brasileiros muitas vezes alcançam os topos dos rankings de usuários em redes sociais - pelo menos nas maiores. Apenas 15 milhões de um total de 259 milhões dos perfis do LinkedIn são de brasileiros. 

 

A ferramenta Grupos do LinkedIn, no entanto, é muito útil para empresas de um mesmo segmento ou com interesses em comum para compartilharem conteúdo, responderem dúvidas, compartilharem vagas, contatos profissionais e trabalharem a imagem da empresa.

Segundo Jéssica Nomura, analista de gestão de pessoas da Multiplus, o Linkedin é uma excelente ferramenta para networking e, por isso, também é possível conhecer candidatos pelo contato na rede social. "Nos grupos, é possível trocar conhecimentos e experiências, além de entrar em contato com um determinado público. Conheço várias empresas que possuem um mercado bem específico e acabam utilizando essa facilidade para serem bem assertivas no contato com profissionais".  

Confira abaixo algumas dicas de como tirar o melhor proveito dos Grupos. 

1. Participe de grupos nos quais seus clientes estão. "Identifique grupos com membros que são clientes em potencial ou influenciadores na sua área de atuação e então crie conteúdo, como artigos, guias e postagens que sejam relevantes para aquele grupo", recomenda Sara Flick, gerente de estratégia de conteúdo e RP da ZOGDigital, empresa de pesquisa e marketing social. "Essa estratégia pode se utilizada para promover boas práticas, estabelecer a marca como líder de segmento ou promover produtos ou serviços de uma forma natural e orgânica", complementa. 

2. Crie seu próprio Grupo no LinkedIn. "Para criar uma comunidade de verdade, empresas se dão melhor ao criar um grupo para um determinado público com o qual elas visam se envolver ou ainda ser a ponte entre esse público e outra empresa, intermediando o contato", afirma Sam Ford, diretor de Engajamento de Público na Peppercomm, firma de marketing integrado e comunicação. 

"Nós criamos diferentes grupos no LinkedIn que agregariam aos nossos públicos", afirma Peter Fosso, chefe da US Operations da Music2Deal. "Por sermos principalmente uma rede social para a indústria da música, nós criamos os grupos Music Industry: Global, Music Industry: Estados Unidos e outros. Isso nos permite construir uma audiência, recrutar novos membros e divulgar nossa marca", explica.

3. Não exagere. "A maior lição que eu aprendi e divido com meus clientes é focar e minimizar", diz Julia Angelen Zunich, presidente do Z Group PR. "Participar de 39 grupos não significa necessariamente mais contatos, referências ou projetos", aponta. "Eu reduzi meus grupos a um ou dois em cada categoria-chave e então foquei em ser ativa, contribuinte nesses grupos. Fiz contatos excelentes e melhorei meu perfil profissional".

4. Estabeleça-se como líder ou perito. Se você pretende ganhar credibilidade e reconhecimento como líder, "contribua para discussões em grupo", diz Jeff Zelaya, executivo de vendas da Vocus, que oferece softwares de marketing de nuvem e consultoria. "De acordo com o LinkedIn, participantes que comentam em discussões em grupo recebem quatro vezes mais visualizações de perfil", aponta. "Mais visualizações podem levar a um aumento de networking e possíveis conexões", complementa. 

"Responda questões, direcione as pessoas e use sua experiência para ajudá-las", adiciona Clare McDowall, fundadora da consultoria Socially Good. "Poste bom conteúdo que possa beneficiar outros no grupo. O LikedIn promove os perfis que mais contribuem em cada grupo e reconhece conteúdo que possa gerar mais conexões e interesse", explica. 

Uma dica de ouro é de Misha Sobolev, diretor da CTOsOnTheMove.com: "mantenha a proporção 7 para 1 - sete conteúdos úteis para um promocional".

5. Aproveite para contratar. Empresas podem divulgar oportunidades nos grupos e aproveitar que esse post será enviado diariamente para todos os membros do grupo. "Mesmo que uma pessoa do grupo não se encaixe no perfil, ele pode conhecer alguém que o faça", afirma Katie Sansone, gerente de redes sociais na firma Windsor Resources.

Mas lembre-se que hoje em dia os candidatos ou clientes não têm tanto tempo ou paciência para ficar lendo muito texto. "É importante que o grupo de uma empresa seja focado, objetivo e periódico", recomenda Will Staney, diretor de recrutamento e programas estratégicos da SAP

6. Realize pesquisas de mercado, inclusive entre os membros e clientes do grupo. "Entre para um grupo que representa seu mercado de atuação e elabore perguntas. Só não se concentre tanto em vender", sugere o fundador do The Sales Foundry Kurt Shaver. 

Para empresas que não têm grupos, é útil fazer pesquisas e enquetes que agreguem valor e reunir os resultados em um post de blog ou relatório. 

7. Peça testemunhos e declarações. Páginas empresariais no LinkedIn permitem listar produtos e serviços para que outros usuários possam fazer comentários e recomendações. Pode-se mandar mensagens públicas nos grupos que incentivem essas avaliações da empresa.

8. Envolva seus funcionários. "Empresas podem amplificar o impacto ao estimular os empregados a participarem ativamente de diálogos com outros usuários da rede", afirma Lauren Hug, fundadora da HugSpeak Coaching & Consulting. 

"Quando todos estão envolvidos, cria-se uma rede estendida que aumenta a presença da empresa e a atenção em relação ao mercado", sugere Kim Garst, CEO da Boom! Social. 

Jéssica Nomura conclui com a possível dica mais importante: "o Linkedin é totalmente profissional, então utilize fotos que estejam de acordo com esse propósito e tome cuidado com as postagens não relacionadas a trabalho ou negócios. Existem outras ferramentas, como Twitter e Facebook para isso".

Matéria completa: http://corporate.canaltech.com.br/

value1

LinkedIn lança ferramenta baseada nos 'seis graus de Kevin Bacon' LinkedIn lança ferramenta

linkedin2Em 1994 o ator Kevin Bacon deu uma entrevista em que disse já ter trabalhado com todos os artistas de Hollywood, então três estudantes usaram a declaração e, baseando-se na teoria dos seis graus de separação - segundo a qual uma pessoa está a no máximo seis conhecidos de distância em relação a outra -, criaram os "seis graus de Kevin Bacon". Agora o LinkedIn se apropriou da brincadeira, mas deu um tom mais sério a ela.

 

A rede social corporativa lançou hoje o "How You're Connected" (como vocês estão conectados, em tradução livre), uma ferramenta que ajudará os usuários a encontrar o caminho mais fácil entre eles e as pessoas com quem desejam falar.

Sempre que precisar iniciar uma conversa com um desconhecido, além de ver no perfil dessa pessoa quem vocês conhecem em comum, você também saberá como seu contato está conectado ao alvo. Assim, poderá estudar a melhor forma de abordá-lo.

linkedin3

Caso haja dois conhecidos em comum com o alvo, você saberá o que liga os três. Udi Milo, gerente de produto do LinkedIn, explica: se um amigo em comum conheceu seu alvo na escola e outro trabalhou com ele, este último é a melhor ponte, pois talvez tenha uma relação mais próxima por tê-lo encontrado recentemente.

Essa ferramenta começou a ser liberada nesta quarta-feira, 29, aos usuários de língua inglesa e será disponibilizada gradativamente aos demais.

fonte: http://olhardigital.uol.com.br/

value1

LinkedIn diz que 99,7% dos usuários não estão atrás de emprego

linkedinA maioria dos 15 milhões de usuários brasileiros do LinkedIn (99,7%) acessa a rede social para conectar-se com outros profissionais e manter-se atualizada sobre as notícias do universo corporativo e não está, portanto, atrás de emprego. Esta é a conclusão a que chegou a primeira pesquisa sobre o perfil do público brasileiro, conduzida em dezembro com 1.120 pessoas.

Segundo o levantamento, o conteúdo tem sido o fator determinante para o engajamento dos usuários e para que as empresas se destaquem na rede. 60% dos entrevistados acreditam que investir tempo no LinkedIn as tornará mais bem-sucedidas e produtivas e 76% esperam passar a usar mais a ferramenta à medida que crescerem em suas carreiras.

Para Ligia Ishida, gerente de Marketing da rede social, “existe uma enorme capacidade de interação. Os usuários estão ávidos por ouvir as empresas, entendê-las e consumir conteúdo relevante. As empresas precisam aproveitar esse potencial”.

Veja abaixo o infográfico completo:

linkedin-flay

fonte: http://olhardigital.uol.com.br/

value1

LinkedIn agora permite que usuários se candidatem a trabalho voluntário -

linkedinvoluntarioSer voluntário é fácil. Todas as organizações sem fins lucrativos estão sempre precisando de ajuda: basta ir até um sopão no bairro mais próximo para arregaçar as mangas. Ah, mas espere! Mas isso não é verdade. Encontrar a organização certa e o melhor período para ajudá-la não é tão fácil assim - e é nessa parte que uma das maiores redes sociais está tentando dar uma mãozinha.

O LinkedIn sempre foi um negócio sério: um lugar onde você pode procurar desesperadamente por um emprego, ou - se tiver sorte - sentar e esperar que recrutadores venham até você. Mas, nos últimos seis meses, a rede social de profissionais identificou que mais de 600 mil de seus membros gostariam de ser voluntários ou fazer parte de organizações sem fins lucrativos. Então, o LinkedIn lançou na quarta-feira (15) o Volunteer Maketplace para conectar instituições que necessitam de ajudantes qualificados a profissionais que queiram preencher seus currículos com boas ações.

 

O novo espaço não é apenas para funcionários em tempo integral que queiram gastar seu tempo nos finais de semana catando lixo ou construindo casas para a humanidade. O CEO da rede, Reid Hoffman, disse em um post no blog da empresa que estudantes, aposentados e trabalhadores do lar (mães e pais) podem se beneficiar com o Marketplace.

"Quando falo com membros do LinkedIn, muitos deles me dizem que não estão ativamente procurando por oportunidades de emprego tradicional", disse Hoffman. "Em vez disso, eles querem melhorar ou ampliar suas habilidades enquanto, ao mesmo tempo, causam um impacto positivo no mundo."

As pessoas que não estão procurando por emprego também é improvável que se inscrevam na rede social, mas agora eles sabem que o LinkedIn está expandindo suas possibilidades (é claro, você tem que ser um membro da rede para ver os novos anúncios não remunerados).  

O novo site tem seções distintas com oportunidades para voluntários e para organizações que procuram por membros. A página também permite que entidades busquem por membros do LinkedIn com a experiência que necessitam - você pode listar as oportunidades e causas que te interessam em seu perfil para facilitar na hora da busca.

- See more at: http://idgnow.com.br/internet/2014/01/15/linkedin-agora-permite-que-usuarios-se-candidatem-a-trabalho-voluntario/#sthash.ODZl5Jbn.dpuf

value1

Milhões de senhas vazadas do LinkedIn são transformadas em arte

linkedin senhas arteNo ano passado, quando milhões de logins e senhas de usuários do LinkedIn vazaram, provavelmente ninguém pensou que a situação problemática poderia ser vista de forma artística.

Com o caso resolvido, porém, o artista Aram Bartholl resolveu dar uma interpretação conceitual ao vazamento. As 4,7 milhões de senhas expostas em junho de 2012 foram reunidas em uma coleção de oito livros que compõem uma criação de Bartholl, agora elas rodam a Europa.

 

linkedin senhas arte2 

Chamada “Forgot Your Password?”, a exposição está atualmente na Alemanha, onde os visitantes podem procurar suas senhas por ordem alfabética. Mas é preciso lembrar da combinação, pois os logins não estão listados.

O artista também criou duas telas, chamadas “Private Password”, cada uma com 10 mil senhas. Veja todas as imagens aqui.

value1

Linkedin já tem mais de 250 milhões de utilizadores

linkedinA rede social que ajuda na procura de emprego, Linkedin e que liga possíveis empregadores a desempregados tem neste momento mais de 250 milhões de utilizadores ativos, ultrapassando o Twitter.

O Linkedin é uma rede social que se dedica ao mercado de trabalho e onde empresas, trabalhadores e desempregados estão em rede na procura de melhores ofertas de trabalho.

 

A crise económica e financeira que se vive, sobretudo na Europa, está a atrair muitos utilizadores para a rede, que procuram uma forma inovadora à escala global, para promoverem e divulgarem as suas capacidades.

Linkedin está agora em terceiro lugar no ranking das redes sociais com mais utilizadores em todo o mundo. O Facebook continua a liderar com 1,15 mil milhões de utilizadores, dados relativos a junho. Em segundo, surge o Google+ com 300 milhões de fãs. Em terceiro o Linkedin com 259 milhões de utilizadores, números referentes a outubro e em terceiro lugar o Twitter.

Jeff Weiner, CEO do LinkedIn afirma que o sucesso da rede se deve sobretudo à oferta de novos produtos como “o investimento nas plataformas móveis, a aposta na comunidade estudantil”, acrescentando ainda que “este crescimento ajudou a impulsionar os fortes resultados do terceiro trimestre”.

fonte: http://www.tecnologia.com.pt/